"Os mais excitantes contos eróticos"


Patrão Tesudo


autor: dryka
publicado em: 02/08/15
categoria: hetero
leituras: 29317
ver notas
Fonte: maior > menor




Faziam alguns meses que trabalhava naquela empresa, eu tinha apenas que colocar no computador os dados dos novos clientes que vinham para mim em uma ficha de papel.

O que mais mexia comigo naquele emprego era o meu patrão: olhos castanhos corpo bem definido na academia, pele clara e um pouco mais alto que eu. E claro! Um cavanhaque que me enchia de tesão toda vez que olhava para ele. (não resisto a uma barba).

Sempre que ele me passava uma nova tarefa eu tinha que me segurar para não sentar no colo dele naquela cadeira do escritório e fazer com que ele me fudesse de várias maneiras. Esse tesão todo estava me deixando louca.

Todos os dias, no fim do expediente eu estava mais exausta por passar o dia com tesão do que do trabalho. Apesar do uniforme ser bem sóbrio eu dava um jeito daquela calça de brim preta e a camisa vermelha ficarem bem sexys em mim, desabotoando alguns botões e mandando apertar bem a calça para ficar bem coladinha nas minhas pernas e evidenciando meu bumbum redondinho.

Mas nem isso chamava a atenção do meu delicioso patrão. Chegava em casa e corria para o banheiro para me aliviar com aquela deliciosa siririca pensando nele me pegando e fudendo comigo até que eu conseguia gozar com meus dedos atochados na minha xaninha.

Certo dia precisei de ajuda, para colocar em uma sala que usávamos como arquivo morto as caixas de arquivos com as fichas, mas não encontrava ninguém. Procurei por toda a repartição, mas só as meninas que faziam estágio estavam por ali. Então não teve jeito, bati na porta do meu chefe.

- Quem é? -Sou eu a Dryka!

-Entra Dryka! Então entrei e vi ele sentado ali naquela cadeira com os punhos da manga da camisa arregaçados, uma tentação para os meus olhos famintos. Ele nem se quer me olhava, com a cabeça abaixada olhando alguns papéis, eu queria que ele estivesse com a cabeça abaixada sugando gostoso minha xaninha, não estava mais aguentando tanto tesão.

-O que você deseja Dryka?

-O que eu desejo? Aí meu Deus o que eu iria fazer para ele perceber o que eu estava desejando?

-Preciso de ajuda com uma caixa. Disse meia sem jeito

-Espere um pouco por favor! Fiquei em pé na porta por alguns segundos e saí daquela sala que estava me sufocando, fui para o corredor e aguardei, até que ele veio até a mim.

Fomos para a sala que era um pouco apertada e mal cabia nós dois, ele entrou primeiro, como eu entrei atrás fui logo fechando a porta atrás de mim. Sei que o que eu iria fazer em seguida ia custar meu emprego, mas eu tinha que fazer essa loucura que estava acabando comigo.

Ele estava de costas pra mim eu o agarrei por trás, passando minhas mãos em seu peitoral por cima do tecido da camisa. Encostei meu rosto em suas largas costas aspirei seu cheiro de macho e fui ao delírio.

-O que você está fazendo Dryka? Essa era a deixa para eu parar e fazer de conta que tudo não passava de um mau entendido. Mas vocês acham que eu ia deixar por isso mesmo?

-Estou fazendo isso!

Me coloquei de frente para ele e puxei seus lábios até os meus numa entrega total, ele me pegou pelo rabo de cavalo e me puxou mais para si jogando minha cabeça para trás descendo seus lábios pelo meu pescoço e roçando aquele cavanhaque safado pelo meu ombro até chegar em meus seios. O que eu imediatamente facilitei para ele desabotoando os botões restante e expondo meus seios redondinhos para que ele sugasse eles bem gostoso o que ele fez com maestria.

Me abaixei e abri o zíper da calça dele e botei para fora seu pau, que saiu meio mole mas que começou a crescer entre meus dedos e foi se avolumando quando fui dando pequenos beijinhos na ponta dele até ficar grande e grosso em meus lábios.

Fui sugando ele todinho e punhetando. Ele tirou a camisa e abaixou mais as calças me dando total liberdade para sugar melhor aquele pauzão delicioso que de tão duro que ficou quase me machucava ao entrar com tudo na minha goela.

Me levantei e tirei minhas roupas e também a dele quase rasgando tudo.

– Me fode gostoso chefinho!? E foi o que ele fez.

Quando aquele pau foi entrando dentro de mim foi como se um peso estivesse sendo tirado de mim, pois esperava ansiosa por esse momento. Ele me preencheu todinha socando bem fundo de mim.

Eu gemia baixinho, mas com vontade de gritar e arranha-lo todo. Como o danado fodia gostoso!! Que tesão!! Fiquei suada e gozei gostoso com aquele pauzão em mim entrando e saindo de dentro de mim.

Muito gostoso ser fodida daquele jeito, imprensada contra uma prateleira meio em pé o tórax dele me apertando naquele cubículo. Nosso suor se misturando. O que mais me fazia delirar era o jeito como ele se satisfazia e em mim era saber que estava dando prazer a ele.

Era tudo que eu sempre quis. É claro que não durei muito tempo naquela empresa pois onde se ganha o pão não se come a carne. As recalcadas começaram a fazer fuxico o que estava atrapalhando o andamento do meu trabalho mas é claro que antes de sair de lá eu usei e abusei do meu chefinho tesudo e gostoso. rsrss



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.