"Os mais excitantes contos eróticos"


Fotografei um casal e seu aman


autor: publicitario45
publicado em: 04/08/15
categoria: hetero
leituras: 4787
ver notas
Fonte: maior > menor


Já contei para vocês em contos anteriores que eu sou publicitário, tenho 45 anos e sou separado. O que eu ainda não havia contato é que nas horas vagas, além de descobrir novos rótulos de vinhos, adoro fotografar. Sem compromisso algum, é apenas um hobby.

Pois bem, mais uma vez entrei numa sala de bate papo para espantar o tédio das férias e como eu estava procurando uma máquina para comprar na internet, resolvi colocar meu nick na sala de bate papo como “Fotógrafo”. Por incrível que pareça nenhuma mulher me respondeu, nem deu boa noite me deixando meio desanimado com a sala. Quando pensei em sair, um tal de Beto me cumprimentou educadamente.

Ele: boa noite amigo. Você é fotografo mesmo?
Eu: profissionalmente não, eu sou publicitário mas nas horas vagas eu adoro fotografar.
Ele: você cobra quanto?
Eu: como te disse, eu não sou profissional, apesar da máquina ser uma Nikon. Então não posso colocar preço. Mas você precisa de que?
Ele: sou engenheiro, tenho 60 anos, sou casado com uma jovem 25 anos mais nova que eu.
Somos um casal liberal e eu queria registrar uma transa dela com um amigo que sai com a gente. Fiz umas fotos mas ela não gostou. A sua máquina pode fazer um registro melhor e também vídeos. Me passe o valor, o numero do seu celular e vamos marcar. É possível?
Eu: amigo. Eu nunca fiz este tipo de fotos. Não deve ser difícil mas diante da situação, posso não me concentrar e te entregar fotos ruins.
Ele: vou te mandar um e-mail com a foto da minha esposa, do amante e se interessar me ligue combinando. Ok?

Aquilo me deixou excitado. Eu, fotografando um casal trepando na frente do marido? Seria louco. Mas será que eu iria participar? E se a mulher fosse feia, chata e o amante um cara estranho? Dúvidas pairavam na minha mente ate que alguns dias depois recebi um e-mail do tal Roberto. O cara mandou uma foto dele, um senhor bem apessoado, moreno, cabelos grisalhos, corpo enxuto pra idade e mais ou menos 1,80 de altura. O amante claro era um bombado, mais baixo que o marido, bem dotado e com cara de marrento. A esposa era uma princesa loira, olhos azuis graças a um par de lentes, seios turbinados com silicone, corpo malhado e cabelos compridos. Resumindo, um trio e tanto.

Fiquei curioso para saber mais sobre a proposta deles e propus um almoço ou jantar. O Roberto, educadamente aceitou e já deixou claro que do restaurante cada um iria para a sua casa, ou seja, nada de sexo. Me arrumei todinho, coloquei uma calça jeans, um sapatenis, camisa branca e um blazer preto, algumas borrifadas de Azzarro e me mandei pro restaurante. Chegando lá me decepcionei ao encontrar na mesa apenas o marido, mas logo ele tratou de me acalmar avisando que a esposa dele estava no banheiro. Quando a jovem chegou, percebi o motivo deles serem um casal liberal. Apesar do porte físico do meu quase novo amigo, aquilo era mulher demais para ele. Ela era perfeita, tudo graças ao que o dinheiro pode comprar quando o assunto é estetica. Como havia dito, loira, olhos com lentes azuis, seios turbinados, corpo malhado e um cheiro enlouquecedor.

Conversamos, eles falaram das fantasias deles, do amigo/amante da esposa e que queria registrar todas as fotos para o SexLog que eles possuíam. Conversa boa, comida de primeira linha e deixamos acordado que quando eles fossem para uma festinha, me ligariam alguns dias antes para eu me preparar.

Passaram se alguns dias e Roberto me ligou. Dizendo que que eles possuíam uma casa em Pedra Azul onde costumavam a passar os fins de semana no inverno. O lugar é lindo, mas o clima é europeu, clima de montanhas e esse povo vai ficar trepando na minha frente com esse frio todo, pensei. Anotei o endereço e me mandei para a casa do casal, casa não, mansão no meio do mato com direito a tudo que há de melhor, inclusive piscina aquecida.

Estacionei o carro e fui recebido por Elisa, a esposa linda do Roberto. Chegou trazendo uma taça de vinho em uma das mãos, me abraçou, beijou meu rosto e me acompanhou até meu quarto me deixando bem à vontade.

Depois ouvi um barulho de moto chegando, olhei pela janela e era o amigo do casal. Elisa também foi recebe-lo e ao contrário de mim, não levou nenhuma taça pra ele mas em compensação o recebeu com calorosos beijos e abraços. A mão dele deslizou pelas suas costas, passou pela sua linda bunda enquanto se beijavam até que Roberto desceu as escadas e cumprimentou o cara com um aperto de mão e um abraço.

Mais tarde, Elisa veio até o meu quarto para dizer que eles iam se reunir na sala para tomarem vinho, mas que naquele dia eu poderia deixar a máquina no quarto pois a festa seria no dia seguinte. Tomei um banho, me arrumei e ao chegar na sala fui apresentado ao Paulo. Cara mais baixo que eu mas muito forte, tipo rato de academia, abdômen trincando de tantas abdominais, Wheys, BCAA´s da vida. Sentamos e começamos a jogar conversa fora enquanto Roberto me contava como tinha conhecido Elisa e como se transformaram num casal liberal. Falamos das vantagens e das desvantagens e fomos abrindo garrafas e mais garrafas de vinho. Paulão apenas suco de laranja e nada mais. Duas da manhã, já que não ia rolar nada mesmo, me despedi do trio e fui dormir já que segundo Elisa sábado e domingo teríamos muita diversão na casa.

No sábado o dia estava lindo e ao descer para tomar café, passei pela porta do quarto e vi Elisa enrolada numa toalha arrumando os cabelos. Dei bom dia e ela me pediu ajuda para prender a parte de trás do seu vestido. Fui lá, abotoei e ganhei um selinho em forma de agradecimento. Desci e ao chegar na cozinha, ouvi uma conversa meio que sussurrada, caminhei lentamente e vi Paulo sarrando na bunda de Roberto enquanto lábia seu pescoço. Voltei em passos leves, sentei na sala e comecei a folhear um jornal para não dar na telha, afinal de contas aquilo tudo pra mim era novidade. Elisa desceu, fomos tomar café e Roberto me trouxe uma máquina de fotografar de presente exatamente igual a minha. Ele se desculpou e disse que queria se garantir, pois aquelas fotos não poderiam vazar sem seu devido tratamento. Não me importei e comecei a registrar as fotos na mesma hora. Paulo pediu que eu fotografasse ele e Elisa se beijando na mesa do café. Comecei a fazer os clicks enquanto Roberto assistia a tudo. Elisa parecia confortável com aquilo tudo e foi se entregando aos carinhos do amigo. Ele a levantou, encostou a sua bunda na cadeira e começou a chupar os seus seios. Ela gemia e se livrava das peças de roupas com uma das mãos. Soltou as alças do vestido ficando apenas de calcinha. Paulo se deliciava naquele corpo escultural, lambia um seio, depois o outro, suas mãos percorriam rapidamente aquele corpo fascinante. Do lado, Roberto assistia a tudo passivamente. Eu por minha vez, não parava de clicar. Era estranho e excitante ao mesmo tempo. Paulo, num gesto rápido, ergueu o corpo de Elisa colocando-a em cima da mesa, abriu suas pernas e caiu de boca na sua xana. Lambia com voracidade enquanto Elisa o segurava pelos cabelos, ela gemia, urrava, chamava Roberto de corno e pedia para gozar mais e mais na boca do amigo. Perdi a conta de quantas vezes aquela mulher gozou na cara do homem músculo mas para cada gozada, cada contorcida, um click.

Elisa e Paulo se beijavam dividindo o sabor do gozo que estava na boca dele com ela. Ela, com habilidade ela abriu o zíper da sua calça liberando seu cacete que apesar de não ser grande era impressionantemente grosso, cabeça roa, grande e reluzente. Se ajoelhou e começou a chupar aquela tora com fome, com vontade. Roberto a esta altura alisava o corpo da sua putinha amada. Passava a mão pelos seios, descia pelas costas, masturbava sua buceta melada de tanto gozo. Elisa remexia seu corpo enquanto Paulo gemia de olhos fechados. Os clicks evoluíam até que Elisa retirou o pau da boca, deu um beijo apaixonado no marido e cedeu o lugar de boqueteira com Roberto. Estava explicado,Roberto não só gostava de ver a esposa dando como também apreciava uma rola.

Não se fazendo de rogado, caiu de boca na pica do amigo. Paulo puxava os cabelos grisalhos do chefe da casa fazendo com que a cabeça do Roberto ficasse num vai e vem frenético. Enquanto Roberto se deliciava com a pica do amigo, Elisa se pôs de quatro com aquela bunda enorme virada pra mim e caiu de boca no cacete do marido. A cena era perfeita. Eu de pau duro como tora não parava de clicar, mas o combinado era ser o fotografo sem direito de participar da festa. Não tardou e os três gozaram juntos. Paulo na boca do Roberto que por sua vez encheu a boca da esposa de porra.

Enquanto eles se recuperavam da sacanagem matinal, Elisa pediu para ver as fotos no visor da máquina. Seu hálito ainda era de porra e a cada foto ela se aproximava mais de mim.

Eu: Elisa, não fique tão perto. Eu sou apenas o fotografo.
Ela: calma, a sua hora vai chegar e se não for hoje, com certeza vai ser outro dia. Meu deu mais um selinho e se jogou na piscina aquecida onde já se encontravam Roberto e Paulo. Os três completamente despidos e eu de sunga de praia que dava para perceber que eu já estava completamente de pau duro desde o primeiro click.

Roberto levantou para pegar uma bebida para os três, já que eu não tenho o habito de beber pela manhã. Quando retornou, Elisa já estava de quatro na espreguiçadeira que fica na beira da piscina sendo chupada pelo amante. O pau de Paulo já estava em ponto de bala. Nossa amiga rebolava, abria as pernas para a língua do amante entrasse em todas as suas pregas. Resolvi fotografar com mais zoom, dando uma atenção especial aos detalhes, como a ponta da língua na preguinha do cuzinho da Elisa, sua língua deslizando ao redor da cabeça do pau do marido. Paulo, não se aguentando, se pôs atrás de Elisa e começou a meter no seu cuzinho. Sua coluna envergava a cada estocada. O som do saco batendo contra o seu corpo ecoava na piscina coberta. Roberto gemia com as chupadas da sua esposa. Era uma trepação se fim. Roberto sentou-se na cadeira que estava parte dentro d´agua e mandou Elisa sentar na sua pica. Aquela buceta linda e depilada se abriu e engoliu com facilidade a pica do marido. Seu rrabo se abriu novamente e Paulo invadiu seu cuzinho que já estava lubrificado. Me abaixei e comecei a clicar aquela dupla penetração gerando fotos maravilhosas. Paulo por ser mais forte socava com força, sem dó nenhuma do rabo da amante, Elisa se abria para engolir as duas picas e sentir um prazer enorme. Os movimentos aumentaram e os três gozaram mais uma vez. Paulo saiu e eu aproveitei para clicar aquele cu aberto com porra escorrendo. Roberto se levantou e caiu de boca na pica do amigo, deixando limpo para uma nova sessão. Elisa ficou deitada na espreguiçadeira com as pernas abertas enquanto Paulo lambia a porra do seu marido.

Este foi o nosso café da manhã em Pedra Azul. No domingo após o almoço precisei vir embora, deixei a máquina com Roberto e agradeci pela confiança. Não cobrei nada por confesso que me diverti bastante. Na saída, perto do me carro, Elisa se aproximou, agradeceu por tudo me desta vez me deu um longo beijo. Passou a mão no meu pau por cima da calça e me disse que ainda iriamos nos divertir muito.

Espero que tenham gostado. Beijos para todos vocês.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.