"Os mais excitantes contos eróticos"


Injeção No Bumbum


autor: Kamila.Teles
publicado em: 04/03/15
categoria: coroas
leituras: 58858
ver notas
Fonte: maior > menor


No início da semana, minha mãe me acompanhou na ida ao médico. A causa era minha alergia. Saímos de lá com a receita que me foi prescrita, teria que tomar algumas injeções.
Na volta para casa passamos na farmácia e um senhor de uns 60 anos nos atendeu. Após os cumprimentos mamãe entregou a receita médica.
— Queria estes remédios!
O homem pegou a receita e foi até a prateleira. Quando voltou com uma caixa de remédio, olhou para minha mãe e disse:
— É pra senhora?
— Não, é pra minha filha! Ela pode tomar a primeira agora?
Quando ele me olhou nos olhos, senti desejos e safadeza naquele olhar ou algo assim. Eu já sabia que aquelas injeções são aplicadas no bumbum. Quando ele disse:
— Pode entrar ali! Apontando para uma porta que dava para uma salinha. Já antevi a cena, aquele homem alisando minha bunda enquanto pinicava uma agulha nela. Entrei na salinha e minha mãe ficou na porta, de repente, entrou uma moça sorrindo e nos cumprimentou. Pediu para eu levantar meu vestido até meu bumbum ficar descoberto, então ela pinicou a agulha em mim.
Não pude evitar um sorriso ao pensar “ Geralmente são os homens que me pedem isto e, a picada é bem maior”.
Ficou acertado que eu voltaria nas manhãs seguintes para tomar as outras injeções. Eu voltaria sozinha nos próximos dias, minha mãe trabalha e não tinha necessidade de acompanhar-me agora.
Voltei na manhã seguinte para tomar a segunda injeção. Havia outro homem no balcão, entreguei a receita e o medicamento e ele pediu pra eu ir até a salinha. Após eu entrar, o senhor do dia anterior entrou em seguida, um tanto eufórico
— Bom dia! É Kamila seu nome, não é?
— Sim, sou eu! E o senhor?
Ele continuando a sorrir exclamou:
— Kamila é um lindo nome, o meu é Messias, mas não precisa me chamar de senhor ok?
Sorri de volta enquanto ele já com a seringa na mão pediu para eu levantar um pouco meu vestido. Eu não sou de fazer cerimônia pra tirar a roupa, subi meu vestido até a cintura. Estava com uma micro calcinha branca de renda, meu bumbum tava quase todo de fora. Eu ainda estava de frente pra ele e fui me virando bem devagar, notei a mudança brusca em seu semblante quando viu minha xotinha que transparecia através daquela renda fina.
Virei, apoiei no banquinho e dei uma empinada no bumbum, ele com muito carinho passou um algodão com um líquido na minha bunda e aproveitou o momento para alisar meu bumbum antes de me pinicar com a agulha. Toda dengosa eu soltei um "Ai", ele aplicou a injeção e falou em tom de brincadeira:
— Pronto, acabou a tortura!
Enquanto eu arrumava o vestido, pelo espelho percebi ele apertando seu pau, ele disfarçou depois.
Combinei de voltar para a próxima no dia seguinte e fui embora.
Decidi ser mais apimentada com o seu Messias no dia seguinte, eu adoro provocar homens mais velhos, principalmente os mais sérios, mas na maioria das vezes eu que acabo sendo seduzida.
Sai de casa com uma blusa até discreta, mas a saia era curta e rodadinha e não vesti a calcinha, queria deixar ele doidinho quando eu levantasse a saia.
Ao entrar na farmácia e dar de cara com seu Messias, percebi que hoje havia um brilho diferente em seu olhar, ele disse pra eu entrar na salinha, quando já estava naquele cubículo, ele entrou atrás e fechou a porta sanfonada, percebi que ele também tinha más intenções para aquele dia, assim como eu (risos). Ainda mais quando ele disse que eu era uma moça linda e atraente e todo aquele papo de tiozinho tarado, porém carente. Senti o bafão de bebida que saia de sua boca.
Eu toda meiguinha e pra provocar falei:
— Ontem meu bumbum ficou dodói! Vai doer, hoje?
— Não minha linda, hoje não vai doer, eu prometo!
— Então estou pronta! Falei sorrindo.
Virei e levantei minha saia deixando meu bumbum todo de fora, em seguida olhei pelo espelho e vi seu Messias babando e com um olhar de lobo faminto, balbuciou algo e pegou na minha bunda com as duas mãos, apertando e acariciando, ele ajoelhou e separando minhas nádegas, enfiou a cara roçando em meu rego e socou a língua no meu buraquinho. Eu nem cogitei resistir, fechei os olhinhos estremecendo de prazer, quando senti aquela língua nervosa mexendo fundo dentro do meu anus, comecei a gemer baixinho e rebolar o bumbum. Ele me sugava como louco que parecia engolir parte de mim, aquela língua frenética deixou-me maluquinha.
Ele ficou em pé e desceu suas calças, eu já não aguentava mais de tesão quando ele veio por trás e começou a roçar seu pau na minha boceta.
— Ai não seu messias, eu ainda sou virgem! (haha)
— Põe no meu buraquinho! Facilitei pra ele arregaçando minha bunda com as mãos e deixando à mostra meu cuzinho que implorava por sentir todo aquele membro dentro de mim. Não era um pauzão, mas estava durinho.
Seu Messias ajeitou na entrada do meu buraquinho que parecia querer sugá-lo, empinei ainda mais a bunda e senti aquele membro me penetrando e me alargando até estar todo dentro de mim, ohooo... Eu gemia e rebolava com aquele pau que entrava e saia enquanto eu mexia e apertava meu buraquinho.
Seu Messias enfiou as mãos por dentro de minha blusa e massageava e apertava muito forte meus seios quase os esmagando, enquanto me puxava pra junto dele estocando fundo em mim. Desceu a mão e massageou gostoso minha xotinha e me fez chegar ao clímax. Eu gozava enquanto seu messias urrava naquele vai e vem doido, achei que o homem ia ter um treco, sentia seu coração batendo forte em minhas costas e a respiração ofegante no meu cangote... E ele não gozava.
Ele socou o dedo na minha boceta e depois mais um dedo, eu estava molinha e não demorou veio meu segundo orgasmo e gemi igual uma cadelinha, ele tapou a minha boca com a mão, a estocada aumentou e foi quando senti aquela coisa morna invadindo minhas entranhas, seu Messias tirou sua rola pra fora e outro jato de esperma foi no meu rego, o velho safado continuando com uma punheta esporrou na minha bunda todinha, parecia que ele não gozava à muito tempo.
Ele deu-me uma toalha e enquanto eu me limpava ele fechou sua calça, pegou a seringa e sem falar nada fez sinal para eu virar, aplicou a injeção e com cara de quem ganhou na mega sena disse:
— Ainda falta uma ampola, quando você volta anjo?
Sorri dizendo:
— A próxima pode ser a domicílio?

Beijos amigos, até a próxima!



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.