"Os mais excitantes contos eróticos"


Implorando por sexo anal


autor: tigresanegra
publicado em: 17/01/17
categoria: hetero
leituras: 7169
ver notas
Fonte: maior > menor


Me chamo Mel (aqui), tenho 25 anos sou negra, de bunda grande e peitos médios, comecei contando aqui as minhas aventuras de adolescente, e como comecei minha vida sexual com o melhor amigo do meu pai, ele era uma cara bem mais velho que eu uns 20 anos mais ou menos, muito sedutor e envolvente, mesmo com o nosso medo do meu pai descobrir o nosso caso, continuamos a nos encontrar e a cada dia ficava melhor, as poucos a minha timedez de menina virgem ia dando espaço para uma mulher totalmente louca por sexo e por aquele homem, só olhar dele na minha casa na frente do meu pai, me deixava louca pra chegar o dia que ele me levaria em algum lugar e me faria sua mulher.

Nas vésperas do meu aniversário de 17 anos, ele estava de férias e meu pai saiu em mais uma missão da marinha, e outra vez meu pai confiou em me deixar sozinha, ele sabendo disso, ficou encarregado de preparar a nossa festinha surpresa. No dia do meu aniversário combinamos pra acordá-mos bem cedinho, às 5:30 da manhã ainda estava escuro quando ele chegou na minha casa para ir-mos para o lugar onde ele denominava "o nosso cantinho" perdi a hora e quando ele chegou ainda tava me arrumando, pedi pra ele entrar para me esperar, quando ele viu que eu estava apenas de calcinha e sitiã, ele não resistiu e foi logo pra cima de mim, e disse que desse jeito não dar pra esperar até chegar no "nosso cantinho", deixei ele bem excitado e depois lembrei que a gente tinha que ir, porque não poderíamos correr o risco de alguém nos ver.

Então, partimos e fomos para uma pousada maravilhosa e bem reservada, onde ninguém nos conhecia, então lá poderíamos andar livremente de mãos dadas e nos beijar na frente das pessoas. Como sempre tive corpão e já me vestia como uma mulher mais velha lá falamos que eu tinha 19 anos, e foi tão bom está com ele assim, sem medo e sem culpa. Assim que entramos no nosso quarto ele me deu um dos meus presentes do dia, o quarto estava cheio de margaridas (minha flor preferida) chocolates, champagne e uma bela carta de aniversário!



- Parabéns minha princesa!



- Nossa, está tudo lindo, você pensa em tudo, obrigada!



- Nada do que tem aqui, e que vai acontecer você não merece, eu faria qualquer coisa por você!



Ele abriu a champagne e brindamos os meus 17 aninhos, misturamos a bebida com beijos quentes e intensos, logo eu não queria apenas os beijos e nem ele, estávamos à quinze dias sem transar, e o desejo a flor da pele, ele cheirava a sexo, e eu o desejava cada dia mais, deixamos o beijo e o nosso fogo nos guiar, quando demos por conta, já estávamos pelados em um 69 enlouquecedor, e eu chupava com desejo, lambia e chupava da cabecinha até os ovos, e ele gemia, e me chupava com mais gosto ainda, eu gozava na sua boca e ele tomava todo o meu melzinho, ele continuava me chupando e colocou o seu dedo indicador no meu rabinho, eu fui ficando cada vez mais louca e isso fazia com que eu chupasse cada vez mais, ele viu o meu entusiasmo e colocou o outro dedo, pegava o meu melzinho e passava no meu rabinho, aquilo foi ficando tão bom, mais tá bom que eu não me controlava mais, gritava e gemia, até que implorei pra ele penetrar logo o meu rabinho!



- Come o meu rabinho, vai!



- Calma, eu tenho medo dele não tá pronto ainda, você é muito nova!



- Come, ou eu vou gritar!



- Que safada, então você quer minha pica no seu cuzinho, né?



- Quero, e quero muito, não aguento mais esse preparo todo, fode ele, por favor!



- Pede mais gostosa!



- Eu te imploro, tira minhas preguinhas!



Ele pegou o bem dito gel lubrificante, que até hoje só lembro do nome hot, e passou no seu pênis e um pouco no meu rabinho, e foi colocando aquele pau enorme e grosso no meu buraquinho, que pareceu bem resistente e apertadinho, ai ele pediu pra eu relaxar, inspirar e respirar que nesse movimento meu buraquinho ia laceando, e assim foi, mas, mesmo assim sentir uma dor, uma dor que era gostosa e que me fez gozar.



- Quer parar?



- De jeito nenhum, continua!



- Minha menina!



Ele socava o meu rabinho cada vez com mais intensidade e mechia no meu clitóris, que estava enorme e duro, ele vendo a situação do meu clitóris, tirou seu pai do meu rabinho e começou a me chupar, gozei tanto que nem sentia minhas pernas mais, ele enfiou de novo seu pau no meu rabinho e começou de novo sua penetração selvagem, até que deu um gemido alto e gozou dentro do meu rabinho!

Naquele dia ainda dei a minha xaninha e o meu rabinho pra ele mais duas vezes, sair daquela pousada toda arrombadinha mais muito feliz!



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.