"Os mais excitantes contos eróticos"


A Novata Safada


autor: Publicitario45
publicado em: 24/01/17
categoria: hetero
leituras: 4075
ver notas
Fonte: maior > menor


No dia seguinte Rafaela chegou no escritório toda linda e perfumada. Usava um vestido preto, de tecido fino e bem leve, uma sandália não muito alta e os cabelos estavam bem cuidados. O clima de sedução era indisfarçável, só não percebia as pessoas bem desatentas.

Quando sai pra almoçar ela foi junto, sempre almoçávamos no mesmo restaurante e neste dia não foi diferente. Sentamos na mesma mesa e engatamos uma conversa cheia de más intenções.

- Nossa, ontem eu custei a dormir.
- Ah é? Porque?
- Ainda fiquei rolando na cama de tanto tesão, pensando em tudo e escorrendo sem parar.
- E hoje?
- Só de estar aqui falando, estou escorrendo de novo.
- Quero ver.
- Ver como? Tá louco?
- Coloca a mãos entre as pernas, chega a calcinha pro lado, mete os dedos e depois que eles estiverem bem lambuzados me mostra.
- É sério isso?
- Sim. Eu quero agora.
- Espera.

Rafaela fez exatamente o que eu mandei. Abriu levemente as pernas por baixo da mesa, colocou a calcinha pro lado e se masturbou na minha frente, dentro do restaurante. Ela fechou os olhos e soltou um suspiro mais forte quando os dedos entraram dentro da sua boceta melada.

Quando ela tirou estava com o rosto corado. Me olhou com um ar meio tímido, meio vagabunda e sorriu.

- Está feliz?
- Não!
- Não?
- Tem mais uma coisa.
- O que?
- Enfie os dedos melados na boca e chupe.
- As pessoas estão olhando.
- E daí?

Rafaela mais uma vez obedeceu e meteu os dois dedos melados na boca e chupou como se fosse um sorvete.

Acabamos de almoçar e fomos em direção ao escritório, entramos no elevador e sem falar nada Rafaela veio em minha direção e me beijou forte. Minhas mãos automaticamente já foram apertando sua bunda dura e arrebitada, ela gemeu baixinho, abriu as pernas e nos encaixamos com perfeição. O sarro durou até o elevador parar no nosso andar e antes da porta abrir já estávamos comportados.
O decorrer do dia foi tudo certo, muito trabalho, correria e o tempo passou rápido. A turma começou a ir embora e eu fiquei na minha sala como sempre. Lá pelas 19h a porta abriu, era Rafaela, ela queria saber se eu já estava de saída.

- Já está indo?
- Ainda não?
- Todos já se foram.
- Tenho umas coisas para fazer.

Rafa entrou trancou a porta, se aproximou e já chegou sentando no meu colo, sem calcinha, com as pernas abertas e a boceta pingando. Toquei seu grelo com um dos dedos enquanto ela beijava a minha boca, ela gemeu se contorceu com o dedilhar e se levantou. Soltou as alcinhas e ficou completamente nua na minha frente. Se ajoelhou e abriu o zíper da calça, caiu de boca na minha rola e começou a me chupar divinamente.

Sua boca subia e descia numa velocidade incrível, depois ela desacelerava e passa a língua por toda extensão, voltava a me chupar, mordia a cabeça e engolia de novo.

Depois de alguns minutos de boquete, Rafaela se levantou e sentou na vara. Deixou ela entrar inteira e começou a cavalgar na minha pica. Quicava, rebolava, esfregava o gelo em mim e rapidamente veio seu primeiro orgasmos seguidos de gemidios e repisração descompassada.

Me levantei, coloquei Rafaela de pé e com as mãos apoiada na mesa. Um dos pés em cima da mesa. Pincelei o pau na entradinha da buceta e depois meti de uma vez só, ela gemeu, pediu mais, me chamou de safado e disse que queria beber leitinho.

Comecei as estocadas mais fortes, ela apenas gemia e fazia carinha de choro, outro orgasmo da menina e suas pernas bambearam. Ela pediu pra sentar na mesa de frente pra mim, se abriu toda e eu cai de boca na boceta, chupei todo mel que escorria e ela gozou na minha boca. Voltamos a trepar, desta vez ela de frente pra mim, me olhando com cara de ninfeta safada acelerei os movimentos e quando senti que iria gozar ela se ajoelhou e bebeu toda a minha porra, alguns jatos escorreram pelo lado da boca e ela com a ponta do dedo fez questão de limpar e depois lamber todo o leite.

- Me leva em casa?
- Levo, claro.
- Estarei sozinha, se quiser entrar...
- Posso?
- Deve!

Saímos do escritório e fomos para Campo Grande, no caminho Rafaela ainda me chupou com vontade, me fez gozar de novo.

Quando chegamos na sua casa ela disse que tinha uma surpesa esperando por mim no quarto dela.

Mas isso merece um outro conto, exclusivo e cheio de detalhes.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.