"Os mais excitantes contos eróticos"


Noites de Terror


autor: Medusasexy
publicado em: 26/01/17
categoria: outra
leituras: 3465
ver notas
Fonte: maior > menor


Mesmo sob a mira de uma arma eu tentei gritar, já que a emoção do susto foi maior que o bom senso, eu só não consegui porque estava com a boca tapada pela mão do outro cara. A ficha caiu e percebi que gritar era uma péssima ideia, tentei manter a calma apesar de estar dominada e ameaçada pela dupla sinistra. No entanto o terror estava apenas começando; tive minha camisa aberta e meu corpo exposto e apalpado pelos dois. Chorei estando ainda sob a mira do revólver, imaginando que o estupro seria iminente, porém tive a esperança de não ser violentada quando o cara disse que eu era uma safada gostosinha, mas não tinham tempo para isso, o que queriam era dinheiro. Perguntou se tinha mais alguém na casa, balancei a cabeça de modo afirmativo, pois minha boca ainda estava tapada. Depois de mais ameaças e perguntas, engoli o choro e respondi que só tinha mais um homem, foi no mesmo instante em que ele me chamou. Um dos caras me mandou responder que já estava indo e caminharam comigo até o quarto do casal.

Eles entraram no dormitório apavorando e depois zoando o coroa preso e indefeso sobre a cama. Enquanto um me segurava pela gravata o outro usando de violência pressionava o homem para que falasse onde estava o dinheiro e joias da casa, ou eu seria a primeira a sofrer. À medida que nos aterrorizavam, o meu carrasco puxava a gravata em meu pescoço me sufocando, meu cliente nervoso e preocupado, pedia para eles pararem que ele daria tudo o que tinha em casa.
Ainda presa, igual uma cadela na coleira, o cara me fez acompanhá-los enquanto eles juntavam reais e dólares que havia na casa, assim como as joias e os eletrônicos que poderiam carregar, inclusive nossos celulares e meu dinheiro que estava na bolsa.

Recolheram tudo que o homem disse ter na residência e não ficaram satisfeitos, o que aparentava ser mais novo - percebi apesar das tocas ninjas - agrediu o coroa e gritou pedindo por mais dinheiro, já o outro, que me manteve presa ao seu lado desde o início, disse que ia me violentar (não foi exatamente esta a frase dita por ele). Jogou ao chão uns enfeites que estavam sobre uma cômoda e segurando em meus cabelos me fez debruçar sobre o móvel. O FDP foi muito violento, sádico e ágil, em segundos seu pênis ficou de fora e forçou meu sexo tentando me penetrar. A humilhação foi o de menos, meu medo é que o sem noção estava sem preservativo, então lutei tentando impedir a penetração, mesmo sendo agredida por aquele animal. Na hora eu não pensei que o assalto ou a violência sexual poderia se transformar em homicídio, felizmente o outro marginal falou que não era hora disso e que deveriam dar área antes que desse merda (segundo ele), acelerou o cara dizendo que estavam vacilando e já tinham ficado tempo demais na casa. O tarado mesmo sobre protestos e palavrões abortou o estupro, recolheu seu membro, mas não perdeu a chance de socar o dedo na minha vagina e disse que da próxima vez eu não escaparia. Com toda sua brutalidade agarrou meus cabelos e braço e foi me arrastando pelo quarto, jogou-me na cama e fui algemada junto com meu acompanhante. O "suposto líder" alertou que se ouvisse algum grito eles voltariam e dariam uns "pipocos" em nós.

Saíram carregando o produto do roubo (provavelmente em direção a um carro que estaria do lado de fora), porém eles nem passaram pelo portão - Ficamos sabendo depois que um vizinho percebeu quando eles invadiram a casa e ligou para a polícia - foram surpreendidos pela PM quando tentavam deixar a residência. Resistiram à ordem de prisão e atiraram contra os policiais que também abriram fogo atingindo um deles.
Retornaram para dentro da casa e não ouve mais tiroteio, os policias começaram uma negociação para a rendição dos marginais, apenas um falou com os policiais, o outro estava muito ferido.

Finalmente, cerca de meia hora depois, o tenente da PM conseguiu a rendição, após os bandidos estarem dominados o quarto foi invadido, agora por policiais e um blogueiro sensacionalista e conhecido na região; o escroto tentou registrar em fotos a nossa situação humilhante (meu cliente pelado, eu quase, deitados e algemados na cama como dois detentos). O homem ficou indignado ao ver a câmera na mão do cara que se esgueirava por detrás dos soldados, esbravejou e pediu que os policiais retirassem o intruso inconveniente de sua casa, ao mesmo tempo em que tentava esconder o rosto (seu pedido foi atendido).
Os homens da lei nos soltaram e ficou evidente a todos que a camisa que eu vestia era do peladão ao meu lado, assim como ficou fácil concluir, pelas algemas nos pulsos e gravata em meu pescoço, que a gente se pegava em joguinhos sexuais quando fomos surpreendidos pelos criminosos.
Meu cliente muito nervoso não quis prestar queixa, por motivos óbvios, iria acabar em escândalo, porém não conseguiu escapar, teria que prestar esclarecimentos ao delegado. Que porra! Eu também teria que acompanhá-los até a delegacia, não consegui escapar desta segunda roubada.
Fomos para o 1º Distrito Policial onde foi registrado o boletim de ocorrência. Após dar minha versão do ocorrido e reaver minhas coisas, inclusive o cachê da noite diabólica, fui liberada.

Ainda era madrugada quando sai da delegacia, fretei um carro de praça e voltei para Campinas; era onde eu passava a maior parte do tempo devido ao meu trabalho de promotora em eventos. Havia alugado um quarto Já na segunda semana de trabalho na agência, pois não poderia ficar me deslocando de uma cidade para outra todos os dias.
Depois de um banho para tirar toda aquela "nhaca" do meu corpo, fiquei muito tempo sentada na cama, imóvel, pensativa e ainda vestida somente com a toalha. Levei um baita susto com o toque do meu celular, era a Minha amiga Carol que mora próximo à casa dos meus avós, falou que ouviu muita fofoca a meu respeito e depois viu minhas fotos em uma reportagem no site do blogueiro. Disse não ter acreditado no que leu, perguntou se eu já tinha visto. Falei que não, pois tive uma noite de cão e cheguei a pouco em Campinas, ainda estava atordoada.
— Amiga... Melhor continuar por ai, a coisa aqui está feia pra você — aconselhou a Carol.
Ela me passou o link do blog e fiquei estarrecida lendo e vendo a desgraça batendo em minha porta. Que escândalo meu Deus! Um texto completo e ilustrado com fotos do coroa pelado e eu seminua na cama com ele (algum policial sacana registrou com o celular sem que percebêssemos e com certeza vendeu para o cara). A matéria ainda relatava muito mais do que poderia ter saído, piorando muito para o meu lado. Até então o meu erro era ter ido para a cama com um homem bem mais velho e casado, dos males seria o menor, pois já tenho fama de periguete e apenas seria tachada de promiscua ou putinha, entretanto as declarações do advogado do homem quando o perguntaram se eu era menor de idade e que seu cliente poderia ser indiciado por pedofilia, ele protegeu seu cliente informando que eu tinha 18 anos e era garota de programa. "Taqueopariu mano! Só faltou ele dar detalhes do lance da agência e da Ficha Rosa." Pensei.
Completou colocando panos quentes na relação conjugal do coroa ao argumentar que o homem procurou uma profissional do sexo em um momento de fraqueza e solidão após ter bebido um pouco a mais no jantar de negócios. Que doutorzinho filho da puta, ele também era nosso cliente, não meu, mas das outras meninas, "me fodeu grandão" com esta punhalada. Depois dessa quis sumir para não ter que encarar meus avós e posteriormente minha mãe que ficaria sabendo através deles.

A Carol quis saber se eu era mesmo garota de programa, diante do acontecido não tinha mais o que esconder e respondi que sim. Não dei pormenores, disse que conversaria com ela outro dia, agora precisava digerir tudo isso e pensar sobre meus próximos passos.

Minutos depois de desligar o celular e saber que estava fodida, fiquei esperando a próxima ligação que provavelmente seria do meu avô, evidente que alguém já o informou do ocorrido, pois ele é militar reformado e conhecia todos na delegacia e na cidade... Putz! Eu não sei se conseguiria atendê-lo naquele momento.
Estremeci quando o telefone tocou, mas não era meu avô, era uma pessoa do jornal local que conseguiu meu telefone (nem imagino com quem, mas iria descobrir quem foi, e o infeliz poderia se considerar morto). Quando soube quem era e do que se tratava desliguei na hora. O idiota continuou insistindo com números diferentes, eu não poderia ficar com meu telefone desligado eternamente ou ficaria sem trabalho e era tudo que não poderia acontecer, pois mesmo que não fosse expulsa de casa, pretendia sair por mim mesma naquele final de semana, logo depois que tivesse uma conversa muito difícil com meus avós.

Se ainda não leu como começou esta história, o convido a ler o conto o "Primeiro Programa" e os outros quatro anteriores a este.
Beijos e até o próximo conto!





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.