"Os mais excitantes contos eróticos"


Anna e seu aluno: dominação anal


autor: Colecionador
publicado em: 06/03/17
categoria: hetero
leituras: 3629
ver notas
Fonte: maior > menor


No dia seguinte assim que acordou, Pedro enviou uma mensagem sacana à sua professora que imediatamente respondeu. Pedro fazia isso todos os dias e a cada dia que se passava Anna ficava mais solta e sacana, se tornando aos poucos uma cadelinha incapaz de dizer não ao seu dono. Trepavam quase que diariamente e Pedro articulava a maneira mais fácil de comer seu cuzinho apertado e ainda virgem. Certo dia, chegou na faculdade cedo e procurou pela professora Anna na sala dos professores. Perguntou se poderia falar com ela e Anna saiu ao seu encontro até uma sala anexa, a mesma em que ela há um tempo atrás tinha lido seu conto. Assim que entraram, Pedro trancou a porta e jogou-a sobre a mesa, de costas para ele.

- "Ai! Pare, aqui não é lugar!" - retrucou a professora.

- “Psiu! Quietinha, cadelinha! Quietinha, que seu dono trouxe um presente para você.” - disse Pedro enquanto tapava a boca da amante com uma mão. Anna, acomodada, calou-se e esperou.

Pedro tirou da mochila uma pequena garrafa, abriu e deu para a sua professora, que recusou, alegando não poder beber no serviço. Com voz firme Pedro ordenou mais uma vez e não restou a Anna abrir e beber. Sentiu uma bebida forte, um cheiro forte de álcool tomou conta de suas narinas. Descobriu que era rum (que ela nunca havia tomado na vida) e que tinha de tomar o conteúdo até ela voltar para sua sala. Pedro então pegou um lubrificante, levantou a saia de sua putinha e arriou sua calcinha e lentamente foi introduzindo o lubrificante no cuzinho. Ela queixou-se assustada e ouviu:

- “Calma cadelinha... Calma que seu dono é bem bonzinho e vai cuidar bem de você.”

Sem saber como e nem conseguir explicar o porquê, Anna foi tomada por um tesão incalculável, afinal ela jamais pensou que sentiria numa situação daquelas. Após lubrificar o cuzinho de sua vadia, Pedro pegou um plug anal e deu para Anna lamber. Ela ao se deparar com aquele objeto e adivinhar qual seria sua utilidade ainda tentou esquivar-se, mas Pedro a encaixou por trás prendendo-a à mesa. Restou a ela, entre goles de bebida, lamber o plug imaginando que era o pau duro e grosso do seu dono querido. Após um tempo ele retirou o plug da boca de Anna e começou a introduzi-lo em seu cuzinho dizendo:

- “Sinta este plug, tá gostando? É só o começo, minha putinha... Aproveita, que daqui a pouco eu vou lhe dar um de verdade. Relaxa, relaxa, pra aproveitar, minha gostosa!” - Dizendo isso ele introduziu o plug todinho no cu da professora, que sequer podia gemer ou gritar devido ao local onde estava. Pedro então levantou sua calcinha e abaixou sua saia, desejando uma boa aula à professora.

- "Você tá louco? Eu não posso lecionar com isso introduzido em mim.“

- "Sssshhhhh! Quietinha. Lembre-se que o único que pode tirar o brinquedinho do cu da cadela é seu dono, escutou? A cadelinha está proibida de tirá-lo! Vai dar aula assim hoje porque eu quero, e aposto que irá gostar. Mais tarde tenho um presente maior pra você, minha putinha.” - Dizendo isso ele a beijou e saiu.

Anna ainda ficou parada por alguns instantes tentando acostumar-se com aquele objeto que lhe roubava as pregas, pouco a pouco. Sentia um incômodo e ao mesmo tempo um prazer que jamais supôs sentir. Terminou a bebida e deixou aquela sala com um sorriso no canto dos lábios, pois sabia que haveria de gozar pelo cuzinho com seu dono latejando nele.

O primeiro tempo de aula era justamente na turma de Pedro e a Anna ficou ruborizada pensando de que maneira ia encará-lo na frente de todos, se seu desejo era de ser possuída por ele naquele mesmo momento. Entrou na sala, cumprimentou a todos, olhou-o discretamente e quando seus olhos se cruzaram pôde perceber sua cara de tarado. Começou a ditar um texto mas se perdia naquilo que falava – como concentrar-se com aquilo enterrado no rabinho? Pedro lá de trás falou:

- “Professora, melhor sentar-se, ficar em pé não vai ajudar.”. Ela entendeu perfeitamente o recado e, de pronto, tratou de obedecer ao seu dono, sentando-se imediatamente. Ao sentar sentiu o plug aprofundando-se no seu cuzinho até então inviolado. Teve vontade de gemer, mas precisou conter-se. Terminada a aula dirigiu-se a outra sala para o segundo tempo e não via a hora da noite terminar. Próximo ao horário da saída recebeu uma mensagem de Pedro dizendo para ir direto para casa e aguardá-lo lá, sem mexer no plug. Chegando em casa tomou um banho e colocou uma camisola de renda preta e o aguardou deitada na cama de bunda pra cima. Pedro levou quase duas horas para tocar a campainha. Ao ouvi-la soar levantou-se para abrir a porta e o recebeu com um beijo safado e quente. Estava alucinada de tesão e não via a hora de ser possuída por ele, de gozar feito uma putinha vadia. Achou que a foda começaria imediatamente, mas ele avisou que iria tomar uma ducha. Ela disse que não precisava, ao que ele retrucou:

“Cadelinha, você sabe que seu dono sempre quer dar-lhe o melhor, não é? Então, tomarei um banho pra você.”.

Ela, resignada, continuou esperando pelo macho. Viu o maço de cigarros de Pedro no bolso da camisa, e resolveu acender um e fazer uma surpresa ao seu dono, que gostava de vê-la fumando. E ela aos poucos começa a gostar deste novo vício.

Pedro já saiu do banheiro nu e com o pau ereto, duro de tesão. Ao ao avistá-lo, Anna se jogou no chão e caminhou de quatro até ele, e olhando nos seus olhos, suplicou:

- “Por favor, meu dono, me deixe chupar sua pica gostosa, por favor...”.

Aquele pedido aguçou o tesão de Pedro que antes de consentir retirou de sua mochila uma coleira de prata com o nome dele gravado. Delicadamente, prendeu-a no pescoço da cadela dizendo:

- ”Pronto, agora a cachorrinha já pode passear que o nome do seu dono tá gravado na sua coleira.”

E mandou-a andar de quatro, com a coleira no pescoço, em volta dele. Aquela cena quase o levou à loucura e, na metade da segunda volta, chamou-a para junto do seu pau e a mandou chupá-lo. Anna parecia uma cadela faminta, tamanha a gula com a qual engoliu aquele pau duro. Passou a língua, chupou e lambeu com tanta intensidade que ele logo anunciou que iria gozar. Anna aumentou as chupadas e recebeu um jato de porra na boca e foi tratando de engolir, gota a gota. Quando terminou puxou-a para si, beijando-a com um misto de afeto e tesão, sentindo o sabor do seu gozo na boca da putinha.

Em seguida levou-a até a cama, onde a colocou de quatro e pouco a pouco foi retirando o plug do seu rabo, ouvindo-a gemer lentamente. Pedro colocou a língua no cuzinho para sentir o quanto já tinha sido aberto pelo plug, ouvindo-a gemer, sabendo assim que sua cadelinha estava pronta para recebê-lo. Posicionou-se com o cacete duro na entrada do cuzinho e perguntou:

- ”O que você quer, minha cadelinha?”

- “Eu quero dar o cuzinho para o meu dono, eu quero ser arrombada. Por favor senhor, eu preciso...”

Pedro não titubeou e começou a penetração. Iniciou colocando a cabeça do pau e ela começou a rebolar, gemendo e dizendo que estava doendo, mas estava bom, que era bom tomar no cuzinho e que queria tudo. Anna sentiu o cacete de seu macho entrar por completo dentro de seu cu, começando a rebolar e sentir as idas e vindas do pau de de seu dono. Foi surpreendida por um tapa, nunca havia apanhado antes. Mas não era um tapa violento, era firme e gostoso. Gemeu e pediu por mais, ganhando tapas na bunda enquanto o cacete entrava em seu cu. Foi quando ela começou a sentir... Começou a gritar dizendo que iria gozar. Que iria não, pela primeira vez na vida Anna estava gozando pelo cu, gemendo e chorando.
- Ai meu dono, me fode. Arroba sua cadela, arromba. Ai, vou gozar...
Pedro não aguentou e a inundou com um jato quente de esperma dentro daquele cuzinho que agora era dele, só dele. Terminaram caindo exaustos na cama, depois de tanto tesão. Pedro foi embora e Anna ficou em casa, perdida em pensamentos.

Desde que se entregou a Pedro ela vinha experimentando os maiores e melhores prazeres de sua vida. Sentia-se mais segura na cama e disposta a realizar fantasias até então impensáveis, que sequer sabia que possuía. Gostava de ser despudorada e depravada para aquele que se tornou seu dono e fez dela sua cadela e, como cadela, sentia-se num eterno cio, desfrutando de todo o prazer que o sexo pode dar.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.