"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A primeira vez com outro H


autor: macho casado
publicado em: 20/08/15
categoria: gays
leituras: 15583
ver notas
Fonte: maior > menor


Tenho 36 anos e durante muito tempo procurei um cara que fosse casado, sério e sobretudo ativo, discreto, sigiloso e que tivesse local...ano passado eu achei esse cara, médico, tarado.
Conversamos por meses via telefone, trocamos fotos até que no dia 262014 nós marcamos de encontrar no consultório dele, 19h. Era apenas pra gente se conhecer ao vivo e quem sabe dar uma pegadinha no pau dele.
Chegando lá, não houve conversa. Quando eu entrei, ele trancou a porta e já foi tirando a roupa, pôs o pau pra fora e me mandou chupar...caí de boca sem pensar em nada! Em seguida, tiramos o resto das roupas e ele chupou meu pau e meu cuzinho, nessa altura eu já não apresentei resistência! Ele colocou a camisinha, passou um óleo, eu fiquei de pé e em segundos já não era mais virgem! Ele foi enfiando aquele pau pequeno, branco, cabeça enorme rosada e quando deu por mim já estava totalmente dominado, de 4, dando o cú!!!
Fomos relaxando e mudando de posição, ele não parava, tenho uma bunda redondinha, empinada, carnuda, ele metia sem dó, quanto mais eu gemia, mais ele me castigava, batia na minha bunda, mandava eu ficar calado e enfiava até eu sentir o saco batendo. Eram estocadas firmes de um pau duro, gostoso. Me mandou sentar na vara dele e eu obedecia a tudo e ia além, quando sentei e consegui sumir ele todo, passei a rebolar naquele pau, agora ele gemia de tesão.
Nessa hora a esposa dele ligou, ele pediu pra eu parar porque ele tinha que atender. Ela tinha chegado no prédio e estava lá fora, na rua, esperando o marido para irem embora. Ele disse que teríamos que parar e que depois marcaríamos novamente. Eu não aceitei e como já estava sentado no pau dele, continuei cavalgando e rebolando, eu estava louco de tesão, a sensação de ter uma rola socada no rabo é indescritível!
Ele disse que estava delicioso mas insistiu que teria que ir embora, porque a esposa o esperava. Eu levantei e quando olhei pra trás, o pau do meu médico latejava de tesão, de vontade de gozar, não pensei duas vezes e fiquei de quatro de novo, abaixei o peito até encostar no chão e minha bunda deliciosa ficou toda oferecida pra ele meter. Então aconteceu o que eu pretendia, ele trocou a camisinha, passou mais óleo e enfiou a vara de uma só vez! Meu cuzinho já estava todo relaxado e aceitou o pau do meu médico facilmente, aquele homem de voz mansa, tranquilo, se transformou e socava a rola ainda mais forte, me puxava pela cintura como se eu fosse uma puta e metia a rola toda, rapidamente ele urrou e gozou dentro do meu rabo! Gozou muito e em seguida tirou o pau de dentro do meu rabinho indefeso, todo arrombado e falou assim: agora chupa, lambe minha porra!
Tirei a camisinha do pau dele, mas não tive coragem de lamber, ele então ficou esfregando o pau gozado e o saco na minha cara, me chamando de puta (me senti exatamente assim). Fomos pro banheiro e ele encostou o pau na minha bunda e foi bater punheta e eu gozei como um louco.
Saí do consultório e vi uma mulher no carro, loira, clara, passava batom e nem me viu, mal sabia ela que minutos atrás seu marido tinha me iniciado, enfiando aquela vara na minha bunda e me deixou querendo mais... desde então a gente sempre marca no consultório e ele sempre me enraba gostoso, sempre quando ele quer meter, ele me liga e eu vou lá dar o cuzinho apertadinho pra ele que me come muito, me fazendo sentir uma putinha querendo vara no rabo.
Volto depois para contar outras trepadas minhas e do meu médico tarado!



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.