"Os mais excitantes contos eróticos"


Sexo no trabalho


autor: Bia Sensação
publicado em: 30/03/17
categoria: hetero
leituras: 4930
ver notas
Fonte: maior > menor




Eu trabalhava como secretária em uma faculdade, tinha entrado recentemente, era nova e não conhecia praticamente ninguém. Meu patrão era um professor super renomado na área da biologia, sempre educado, gentil, e conversávamos muito afinal éramos só nós dois na secretaria. Sempre imaginei que pela educação, gentileza e a falta de aliança que ele fosse gay, ficamos muito amigos com o passar do tempo e eu então sempre fui muito aberta, me abri sobre relacionamentos falidos, transas desagradáveis e as agradáveis também.

Quando estava fazendo mais ou menos um ano que eu estava lá, comecei a reparar que sentia uma atração fora do normal por ele, aquele tesão mesmo que a pepeka chega tremer. Porém, eu tinha um namorado e imaginava que ele gay.Outra coisa que eu estranhava era o fato de eu ter tanta atração já que ele não era tão bonito, mas tenho um PUTA TESÃO por pessoas inteligentes e isso ele era demais. Me encantava ficar horas ouvindo ele falar sobre as descobertas dele que eu nem fazia ideia do que se tratava (afinal sou de humanas).

Certo dia, estávamos conversando normalmente quando cai uma tempestade, não tinha como sairmos e nem como entrarem porque a secretaria era uma casinha separada do resto da faculdade por causa do arquivo. E aí pensei, já que não tem como esquivar vou interrogar! Comecei a perguntar sobre relacionamentos, coisa que nunca tive coragem por medo dele se ofender pois era uma pessoa muito reservada, ele disse que já tinha sido casado mas que se decepcionou e tinha apenas rolos agora. Aí resolvi perguntar:

- Professor posso perguntar uma coisa? É meio pessoal mas tenho muita curiosidade...

- Claro ué, já te perguntei tanta coisa pessoal e você sempre me responde!

- O Senhor é gay?

- O QUÊ? CLARO QUE NÃO TÁ DOIDA?

Aí eu dei uma risadinha sem graça e disse que sempre conversei abertamente por achar que ele fosse gay, porque é muito reservado, educado, gentil... Ele retrucou se educação era sinônimo de ser gay e eu disse que não mas era muito difícil encontrar um hétero com as qualidades dele, nessa hora ele me deu um sorriso torto daqueles sem vergonha que tiram o ar da gente e disse “então você gosta das minhas qualidades?” eu respondi que o admirava, achava muito inteligente e sem querer deixei escapar um "e isso tudo me atrai". Parece que foram as palavras mágicas.

Ele veio pro meu rumo, parou na minha frente e disse: se eu soubesse que você tinha atração também já tinha feito isso antes, vou te beijar agora pra você nunca mais achar que sou gay...

Ele me amassou encostada no armário e que beijo MARAVILHOSO, apertava minha bunda como se ela fosse única no mundo. O clima foi esquentando e fomos tirando a roupa, primeiro as camisas. Ele tirou a dele primeiro e depois a minha bem devagar e disse que era pra admirar, tirou meu sutiã e abocanhou meus seios como se tivesse mel ali, já tava toda molhada, pronta pra ele, mas ele ia devagar, me torturando... Desceu pela minha barriga beijando todos os cantos, desabotoou minha calça e desceu, beijou minha pepeka por cima da calcinha já toda molhada e disse que eu já estava mais que pronta pra ele mas que ele ainda queria me torturar mais, desceu minha calcinha bem devagar e me colocou na mesa, abriu minhas pernas o máximo que conseguia e disse que gostava de ter um bom angulo de visão. Começou beijando minhas coxas e foi subindo devagar até chegar no meu sexo e soltei um PUTAQUEPARIU tamanho foi o choque de prazer que tive no momento, eu gemia como nunca antes e ele gemia de prazer enquanto me dava prazer, logo tive meu primeiro orgasmo. Ele se levantou e me disse que agora era a minha vez de chupar para retribuir, eu estava com tanto tesão que abocanhava, morrendo de prazer enquanto chupava aquele pau maravilhoso, era lindo, grosso de bom tamanho, eu chupava com tanto gosto e me deliciava ainda mais com os gemidos que ele soltava. De repente ele segura meu cabelo, olha nos meus e pede: senta vai, me engole com essa bucetinha molhada... Já estava mais que pronta, sentei e deslizou de uma vez, ele soltou um urro que me arrepiou toda e me deu gás pra sentar ainda mais gostoso, gemíamos maravilhosamente de tão que nos encaixávamos. Parei de sentar quando gozei de novo e ele disse que agora queria me comer de bruços sobre a mesa dele, deitei e então recomeçamos, eu já não aguentava mais nem sei quantas vezes eu gozei, ele metia com vontade em uma velocidade maravilhosa que se encaixava perfeitamente com o movimento dos meus quadris, eu já estava quase gozando de novo quando ele avisou que já estava pra gozar, soltou um gemido tão forte quando gozou que não consegui segurar e gozamos juntos. Ele deitou sobre mim uns minutos. Nos vestimos, demos mais uns beijos afinal a chuva ainda corria lá fora.

Hoje ainda trabalhamos juntos e sempre que temos um oportunidade nos pegamos lá no serviço ou fora de lá, não deixamos nossos corpos passarem mais vontade e ainda continua delicioso...







ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.