"Os mais excitantes contos eróticos"


Descobrindo oral aos 40


autor: Momorena
publicado em: 02/04/17
categoria: hetero
leituras: 2322
ver notas
Fonte: maior > menor


Minha vontade era vê-lo e acabar com aquela ansiedade que ultimamente me consumia.

Toda vez que teclávamos sentia o mel escorrer entre as pernas era obrigada a recorrer a uma siririca a fim de aliviar, aquele homem de 58 anos realmente me enlouquecia.

Algo em homens mais velhos me encantava não sei explicar o porque...

O mais interessante é que falávamos coisas banais e de vez em quando soltávamos uma palavra de duplo sentido deixando o clima mais quente.

Eu me sentia a vontade com ele, teclávamos todos os dias nos aproximamos demais tínhamos muito em comum. Era hora do encontro se consumar afinal precisaríamos em algum momento e o momento chegou.

Tomei coragem e tomei um bom banho, sabonete de rosas um óleo corporal marcante uma maquiagem leve, cabelos levemente molhados.

Revirei o guarda roupa procurando um look... achei uma calça de lycra preta,um corpete também preto e um blazer branco. Uma sandália pronto perfeito. Ah! Quase esqueci uma pitada de Acordes um perfuminho básico.

Olhei no relógio eram 12:50 marcamos 13:40 tinha que correr deselegante se atrasar eu pelo menos acho!

Fui até estação de trem, minhas pernas trêmulas a ansiedade me consumia como seria nos vermos frente a frente.

Era hora de descer do trem, olhei na estação tantas pessoas cada qual no seu destino e pensei será que mais alguém na mesma situação que eu? Nervosa, com a buceta molhada só de pensar em outra pessoa.

Descia escada e imaginava tantas possibilidades e se ele não gostasse de mim? Parecia ter borboletas no estômago tamanho era o nervoso.

Resolvi mandar uma mensagem:
- Cadê você?

Ele respondeu: - Estou aqui meu amor!

Olhei em volta e não o via, minhas mãos geladas meus lábios adormeciam. Puta que pariu parecia que ia infartar...

Fui surpreendida por alguem tocando meus cabelos virei e o vi!

Olhei dentro dos olhos dele e ele nos meus, ficamos imóveis nos olhando por alguns segundos e parecia que o mundo havia parado. Nada foi dito, nem precisava.

Tive que interromper o silêncio:

- Oi!

- Oi amor, como você é linda!

Fiquei vermelha eu acho porque senti meu rosto corar. Ele pegou em minhas mãos e sorriu dizendo para eu me acalmar.

- Aonde vamos querida sou seu hoje, escolha o lugar.

Deixa dizer agora leitor somos duas pessoas casadas mas extremamentes carentes típido da realidade do século 21, casados e frustados afetivamente. Se na vida profissional somos bem sucedidos na área afetiva éramos como zumbis vagando entre salas de bate papo isso era previsível acontecer.

Bem agora esclarecido esse porém claro que deveríamos nos encontrar discretamente um lugar conversarmos em outro com a mesma particularidade .

Pensei por um momento e decidi que teria que ceder ao lugar que ele havia sugerido porque ali poderíamos ficar tranquilos em paz. Claro que seria o Motel, a princípio era para apenas conversarmos melhor nos conhecermis ,bom pelo menos era essa a propósta.

Ele disse para eu segui-lo e assim o fiz. Ele caminhava eu olhava aquele bumbum suculento dentro daqueles Jeans justo os ombros largos,envolto em uma camisa azul eu suspirava fazia tempo que não desejava alguém assim.

O segui até seu carro de vidros escuros onde abriu a porta para que eu entrasse, deu a volta e sentou em seu lugar. Cuidadosamente passou o cinto de segurança em mim encostando seu corpo ao meu causando espasmos em meu corpo e um leve suspiro.

- Calma amor rsrs .Disse ele aproximando seus lábios aos meus, não pude resistir me deixei levar por aquela boca com hálito de menta me engolindo literalmente.

Senti umidade da sua boca, quente àvida sedenta, e acompanhei aquela vibe me entregando aquele beijo como a anos não fazia.

Senti minha calcinha enxarcar, minha bucetinha piscar meu corpo implorar por algo mais. As mãos dele percorria meu corpo eu me contorcia.

Em um momento de lucidez o empurrei e disse se ele via onde estávamos, ele sorriu com a boca cheia do meu batom ligou o carro e seguiu em frente.

Fui me recompondo e tentei levar uma conversa normal enquanto nos faróis recebia selinhos até chegarmos em um Motel em uma rua deserta.

Havia feito a reserva apresentou os documentos entramos. Estacionou o carro abaixou o portão, abriu a porta do carro e me encostou nele.

Tocou meu corpo minuciosamente descobrindo cada centímetro, continuou aquele beijo maravilhoso enquanto sarravamos vagarosamente.

Sentia o pau dele tão duro que até machucava, mas o fogo era tanto que não me controlava eu deixava, estava entregue ao momento.

Ele me pega pela mão me leva até o quarto, uma cama enorme onde me deita e coloca seu corpo sobre o meu, continuávamos nos esfregando feito loucos e aos poucos nos despindo.

Olhei para o teto me deparei com minha imagem nua com outro homem na cama gelei, mas fui interrompida por uma boca beijando entre minhas pernas, minhas coxas minha testinha e se apropriando de minha pepeka tocando com os dedos e massageando.

Tomou conta de minha bucetinha mordiscando chupando fazendo sucção no meu grelinho, eu nunca tinha sentido aquilo.

Isso mesmo caro leitor aos 40 anos nunca haviam chupado minha buceta, era novo e empolgante.

Eu posso dizer que me senti no céu era uma sensação maravilhosa entre minhas pernas alisava minha barriga com as mãos e sugava minha pepeka de uma maneira que meu mel saia sem parar eu gemia chorava baixinho enlouquecia.

A cada mordidinha no grelo eu pulava ele então enfiava a lingua gelada na minha buceta nossa eu estava entregue jorrando tendo múltiplos gozos minhas pernas trêmulas minha boca dormente era enlouquecedor.

Gozei como nunca havia gozado na vida e pensava com a boca já fez isso imaginem com o restante.




Continuarei....


















ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.