"Os mais excitantes contos eróticos"

 

MENAGE COM BI


autor: gatodoidinho
publicado em: 20/01/16
categoria: hetero
leituras: 6669
ver notas


Olá a todos. Meu nome e Paulo Roberto. Tenho 45 anos, moreno, 92 kg e minha altura é 1,70. Sou casado há 19 anos, tenho três filhos de 15 e 10 anos. Moro em Curitiba desde que nasci. Através dos meus contos anteriores, conheci muita gente que me MANDOU e-mail e entre elas uma gata de Belém do Pará, chamada Vânia, que me disse ter ficado muito excitada com meus contos, principalmente quando eu conto uma aventura a três, onde até a bunda eu dei de tanto excitação que eu tava. Sempre que eu entrava no Skype, ela estava on-line e a gente iniciava nossas conversas sempre com uma boa putaria verbal. Em nossas conversas descobri que ela era casada e seu marido tinha negócios em Curitiba, o que o obrigava a viajar pelo menos uma vez por mês ao Paraná. Contou-me que seu marido chamava-se André e era tão safado quanto eu e que adorava um sexo a três, mas por questões de segurança, preferia curtir esse tipo de fantasia fora de sua cidade, Belém. Eu disse à ela que se eles quisessem, numa oportunidade que seu marido viesse à Curitiba, poderíamos curtir nós três juntos, já que ela tinha me visto pela cam e disse ter gostado do que viu, estava meio caminho andado; bastava agora combinar os detalhes. Deixei bem claro que não sou bem dotado, mas me saio muito bem com os meus 17 cm e tal e coisa e coisa e tal e bla-bla-bla. Ela me disse que eu era o número deles e que me encaixaria direitinho no que eles esperavam. Sendo assim fiquei ansioso para que chegasse o dia do compromisso do marido dela em Curitiba, para que ela viesse junto e pudéssemos nos conhecer. Trocamos nossos números celulares e ficamos de nos comunicar quando chegasse o dia. Passou-se uns 15 dias eu recebi uma ligação em meu celular e pelo código DDD já imaginei que fosse ela. Disse-me que haviam chegado à cidade e que estavam hospedados num hotel próximo ao centro da cidade. Combinamos que seu marido iria resolver todas as questões comerciais naquele dia e que no outro dia eu iria encontrar os dois durante à tarde para nos conhecer. Pedi folga na empresa para o outro dia, me preparei, me perfumei, fiz até lavagem retal porque naquele dia a coisa prometia. Quando cheguei ao hotel onde eles estavam, encontrei os dois muito elegantes, perfumados como eu e arrumados para curtir uma tarde inesquecível. Apresentei-me e notei que eles ficaram bem empolgados quando me viram; olhavam-se com cumplicidade o tempo todo, revelando que não viam a hora de nos atracarmos em cima de uma cama. Ficamos no bar do hotel bebericando alguma coisa e conversando animadamente por uns 40 minutos mais ou menos. Como eu não sabia ainda se iria rolar alguma coisa naquela tarde, resolvi tomar apenas um suco de laranja, pois caso eles quisessem ir a algum lugar, poderíamos ir no meu carro e por isso mesmo, me prontifiquei a ser o “Motorista da rodada”. Combinamos então de sair dali para um lugar mais sossegado e sugeri irmos a um motel fora da cidade, onde tem um ambiente muito legal para festas com mais de 2 pessoas. Chegamos lá, os dois já foram tirando as roupas, alegando que estavam com muito calor e já foram pulando na piscina, fazendo grande algazarra como duas crianças. Eu peguei uma água no frigobar, me sentei numa cadeira e fiquei observando como os dois eram gostosos. Vânia era uma delicia, tinha um corpo gostoso, uns peitos tamanho médio e uma bundinha tipo pêra, bem feitinha. Sua bucetinha era cuidadosamente depilada e com os lábios salientes, daqueles de encher a boca. André e Vânia me chamaram então pra entrar na piscina com eles e eu não me fiz de rogado: Tirei toda a minha roupa e meu pau já deu sinal de vida na mesma hora, ficando apontado para cima. Assim que entrei na água, André saiu alegando que ia pegar uma bebida no frigobar e Vânia veio para o meu lado me abraçando e me dando um beijo delicioso o qual eu correspondi com muita volúpia. Meu pau nessa hora doía de tão duro, cutucando a testa de sua bucetinha. Vez ou outra, enquanto me beijava, Vânia pulava um pouco na água e quando caía, meu pau entrava no meio de suas pernas e ela ria muito. Não aguentando mais o tesão, peguei-a no colo e coloquei na borda da piscina e fiquei no meio de suas pernas. Comecei a beijar seus seios enquanto ela fazia um cafuné na minha cabeça, espalhando meus cabelos e gemendo baixinho. Fui descendo minha língua pelo seu corpo e cheguei o seu umbigo, onde tinha um piercing dando um charme muito especial ao seu belo corpo. Quando cheguei em sua bucetinha depilada, ela estava babando de tão molhada. Tinha um aroma delicioso e eu fui passando a língua em toda a extensão, chupando com gosto, enchendo a boca com seu grelo e dando pequenas mordidas de leve em seu clitóris. Vânia tremia e gemia muito pedindo: - Isso me chupa, me faz gozar, ai que língua gostosa, vou morrer aaaaiiiii, delicia. Até esqueci-me do seu marido André, que a tudo observava sentado num canto com uma lata de cerveja numa mão e com o pau duro na outra, se masturbando lentamente. Saímos da piscina e fomos para a cama, onde Vânia deitou de pernas abertas e eu continuei chupando aquela buceta que a estas horas já estava inchada de tesão. Eu estava de quatro, com minha bunda bem empinada e com a minha cara metida no meio das pernas de Vânia que nem vi André se aproximar. Só senti uma língua quente entrando no meu cu, me causando um delicioso calafrio. Meu pau ficou ainda mais duro e André sem nenhuma cerimônia, enquanto enfiava sua língua quase inteira no meu cu, punhetava meu pau com muita maestria. Vânia quando viu seu marido com o rosto enterrado no meio da minha bunda e vendo minha cara de prazer, deu uma bela gozada na minha boca, apertando minha cabeça com as pernas, quase me sufocando. Gozou tão forte que ficou desfalecida, enquanto seu marido parou de me enfiar a língua e passou a chupar meu pau tão gostosamente que eu não resisti e gozei em sua boca e André engoliu tudo e continuou chupando até não sobrar nenhuma gota. Meu pau continuava duro e Vânia já estava de quatro com sua bucetinha aberta e piscando pra mim de novo. Posicionei-me e fiquei pincelando meu pau em sua buceta que escorria de tão molhada que estava. Passava meu pau em sua buceta e ia parar em seu cuzinho que piscava sem parar. Quando a cabeça do meu pau encostava em seu cuzinho ela dava gritinhos e implorava: Vai de uma vez, mete esse pau, me come, vai, mete gostoso, põe tudo, depressa. Então comecei a deslizar meu pau pra dentro de sua buceta faminta e ela enlouqueceu de vez, agarrava os lençóis, gritava, me xingava de filho-da-puta e mandava eu meter forte. André ao nosso lado ainda não havia gozado e se posicionando atrás de mim, começou a esfregar seu pau no rego da minha bunda e quando olhei pra trás, o danado já havia colocado uma camisinha lubrificada e forçava meu cu com seu pau pequeno. Parei de me movimentar um pouco para que ele pudesse encaixar e assim seu pau começou a entrar no meu cu. Que delicia....ele foi enfiando até seu púbis bater na minha bunda e começamos num vai-e-vem delicioso. Quando eu falei alto que seu pau estava inteiro no meu rabo e que tava uma delicia, Vânia começou a gozar de novo, convulsivamente, gritando: Ai delicia, que foda gostosa, que pau maravilhoso, que gozo delicioso, aaaaaaaaiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!! Nessa hora senti que o pau de André inchou mais e parece que ficou maior, enquanto sentia as contrações de seu pau, gozando e gemendo muito. André teve um longo e delicioso orgasmo dentro da minha bunda e caímos todos desfalecidos e satisfeitos. Demos até uma pequena dormida e acordamos com o barulho do chuveiro, pois André já estava tomando outro banho. Vânia não perdeu tempo; começou a me fazer um delicioso boquete, me deixando novamente em ponto de bala. Quando mandei ficar de quatro e ela percebeu minhas intenções, ela chamou André e dizendo que agora era a minha vez de comer a bunda de André. Eu preferia a dela, mas como eu já estava no clima, André veio e junto com Vânia me chupou mais um pouco e ficou de quatro. Sua bunda tinha poucos pêlos e seu cu piscava de vontade. Coloquei a camisinha, passei um pouco de lubrificante e comecei a enfiar meu pau no cu dele. Vânia imediatamente entrou por baixo e começou a chupar seu pau enquanto esfregava vorazmente seu clitóris. Meu pau nessa hora sumia inteiro em seu cu apertado. Quando comecei a fazer movimentos de vai-e-vem André ficou louco de gemia alto e sem vergonha, estimulado a esposa a chupar com mais tesão o seu pau. Não demorou muito, André anunciou que ia gozar e nesta hora eu também já estava quase gozando. Assim que seu cu começou a se contrair enquanto ele enchia a boca da esposa de porra, eu gozei também naquele cu gostoso. Vânia também gozou umas duas vezes. Recuperados, tomamos um belo banho e saímos do motel muito satisfeitos com aquela deliciosa aventura. Prometemos continuar nos vendo sempre que André vir à Curitiba. Se houver outras aventuras, contarei em meus próximos contos. Um abraço a todos.

Não esqueça de dar nota e comentar este conto.

Paulo )



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.