"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Eu e a Nádia – tentando beber minha p


autor: casadosc
publicado em: 04/10/16
categoria: hetero
leituras: 2816
ver notas


Olá pessoal. Sou eu novamente. Me chamo Jean (fictício), tenho 36 anos, moro em Santa Catarina, e leitor assíduo do site. Tenho 1,82 metros, um pouco acima do peso. Não sou super dotado, sou uma pessoa normal. Meu pau sempre foi depilado por questões de gostos e higiene, fora que as mulheres adoram. Todos os nomes serão alterar nos contados para preservar a identidade dos envolvidos. Pois sou casado e desejo sigilo para mim, e para as pessoas envolvidas. Todos meus contos são verídicos.

Essa história aconteceu ainda com a Nádia, do conto anterior (Eu e a Nádia – A massagem). Para saber mais detalhes, favor ler o conto.

Depois de sairmos aquela primeira vez, ficamos conversando pelo finado MSN, e ela comentou o quanto tinha gostado da minha massagem e etc., e foi se abrindo, contando detalhes de sua vida, suas fantasias e etc. me confidenciou alguns detalhes do seu relacionamento anterior, o pq estava tanto tempo sem sexo, etc. e também me falou sobre suas fantasias, dentre as quais, o sexo anal.

Ele comentou que tinha muita curiosidade em dar o cuzinho, mas também tinha muito receio por causa da dor. Disse a ela que ajudaria com muito prazer nessa missão hehehe. Ela disse que quando chegasse o momento certo, que ela se sentisse mais à vontade, eu seria o primeiro a saber.

Trocamos uma ideia por um tempo e tal, até que marcamos de nos encontrar novamente. Ela me disse que tinha vontade de fazer uma coisa comigo, que sempre teve curiosidade, mas nunca tinha feito. Perguntei o que era, mas ela me disse que era surpresa.

Fiquei ansioso, mas teria que esperar até o nosso próximo encontro.

Passou uma semana até sairmos novamente. Busquei ela na casa dela, e de lá, fomos direto para o motel. Ela estava linda, com uma calça jeans super colada, e uma blusinha muito decotada.

Dei um beijo nela e durante o caminho fui acariciando as pernas dela, até chegar na bucetinha. Fiquei acariciando por cima da calça mesmo. Ela já foi colocando a mão sobre meu pau, que foi dando sinal de vida. Ela abriu o meu zíper, liberando meu pau e começou uma punheta com aquela mãozinha macia. De repente ela chegou perto do meu ouvido e falou para eu me concentrar. Não entendi direito, até que ela foi baixando e caiu de boca no meu pau, me chupando enquanto eu dirigia.

Não foi fácil me concentrar com ela me chupando maravilhosamente bem. Mas ela continuou até chegarmos no motel. Ela deu uma parada, entramos no motel, e na garagem ela continuou chupando. Eu disse que se ela continuasse eu iria gozar na boca dela, ali mesmo na garagem do motel, mas ela parou e disse, que ainda não era hora de eu gozar.

Entramos no quarto, e nos atracamos num beijo maravilhoso. Peças de roupas começaram a voar, até ela ficar somente de calcinha, branquinha, fio dental, toda enfiada na bundinha dela. Bundinha linda aliás, deliciosa que adorava levar uns tapas. Quando tentei tirar a calcinha dela, ela me empurrou para a cama, e disse era a hora da minha surpresinha. Tirou minha cueca e caiu de boca. Tentei puxar ela para um 69, mas ela não quis. Disse que precisava de concentração.

E caprichou na chupada. Ia enfiando o máximo que conseguia, naquela boquinha. Chupava, lambia. Descia até minhas bolas, lambia e vinha lambendo até a cabecinha, e voltava a chupar. Pedi para ela parar, pq se não iria gozar na boca dela. Ao ouvir isso ela acelerou os movimentos e percebi que era isso que ela queria. Nesse instante parei de me segurar, e em mais dois ou três movimentos, anunciei que ia gozar. Ela parou de chupar, mas ficou com a cabecinha do meu pau em sua boca, esperando eu gozar, coisa que fiz com muito prazer. Ela segurou o máximo que conseguiu, mas começou a vazar pelo canto da boca. Ela levantou com a boca cheia de porra e foi correndo para o banheiro, para cuspir na pia. Ela lavou a boca, e eu me recuperando ainda. Ela trouxe uma toalha para limpar a porra que ela não conseguiu segurar na boca. Enquanto me limpava, disse que sempre sonhou em fazer isso, mas nunca se sentiu à vontade com nenhum homem, até me conhecer. Mas disse que queria engolir, mas na hora ela ficou com receio, pela quantidade e não engoliu. Eu disse que não tinha problema, que tinha que ser uma decisão dela, que tudo no tempo que ela se sentisse à vontade.

Ela deitou do meu lado e ficamos nos acariciando e conversando.

Passou um tempo e meu pau começou a dar sinal de vida. Fui por cima dela, tirei a calcinha e comecei a chupar aquela delicia de buceta. Ela gemia e pedia mais. Passei a língua no cuzinho dela, ela foi ao delírio. Fiquei alternando entre o grelinho e o cuzinho até ela gozar. Tentei colocar um dedinho no cu dela, mas ela não deixou. Disse que ainda não estava preparada. Respeitei ela e continuei chupando ela.

Depois coloquei a camisinha e ficamos num papai e mamãe bem carinhoso por um tempo. Até que comecei a acelerar os movimentos e senti a respiração dela aumentando e ela gozando embaixo de mim. Pedi para ela ficar de quatro. E fui metendo nela de novo, com força, do jeito que sabia que ela gostava. Dava tapas na bunda dela, e ela gemia cada vez mais forte. Nisso olhei para a TV do quarto e tinha a cena de um casal fudendo na mesma posição que gente, porém o cara metia no cu da mulher. Puxei o cabelo dela e disse para ela olhar pra TV, que era daquele jeito que eu iria comer o cu dela, e enquanto metia na buceta dela, massageava o cuzinho dela. Ela saiu da posição e disse que hoje não iria rolar, pq ainda estava com receio, que achava meu pau muito grande e grosso (apesar de eu achar um pau normal) e que quem sabe num próximo encontro. Até hoje tenho certeza que isso era estratégia para gente continuar saindo. Não que eu não gostasse, muito pelo contrário, eu estava adorando.

Ela me jogou na cama e ficou me cavalgando por um tempo. Dava tapas em sua bunda e seu rosto, o que só fazia aumentar o tesão que ela estava sentindo. Ficou me cavalgando até gozar de novo em cima do meu pau.

Pedi para ela ficar de quatro que queria gozar na boca dela de novo, e dessa vez ela iria engolir tudinho. Ela se posicionou e meti forte naquela bucetinha deliciosa. Metia com muita força, enquanto dava tapas naquela bundinha maravilhosa. Ficamos assim, até não conseguir mais aguentar. Avisei para ela que iria gozar, ela saiu da posição e se ajoelhou na minha frente, tirei a camisinha e ela começou a chupar meu pau. Em questão de segundos comecei a gozar. Ela segurou na boca até eu terminar de gozar, e depois soltou toda a porra sobre seus seios. Disse que ainda não estava preparada para engolir.

Disse que estava tudo bem e dei um beijo nela. Fomos tomar um banho e demos mais uma no chuveiro. Depois nos vestimos e fomos embora, já garantindo que nos encontraríamos novamente.

Caso tenham gostado, por favor comentem. E as mulheres que desejarem sentir um prazer assim, podem entrar em contato.

Quem sabe possamos ter um belo e prazeroso relacionamento.

Um abraço e até a próxima.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.