"Os mais excitantes contos eróticos"

 

FOI NA MARRA E NA FRENTE DO CORNO.


autor: Shamir
publicado em: 21/10/16
categoria: traição
leituras: 11241
ver notas




Olá pessoal,
Os que vem me acompanhando sabem que eu sou um grande pegador de casadas, a única coisa que eu gosto mais do que foder uma casada gostosa é dominar o corno, isso me fascina e eu confesso que perco muito tempo analisando as reações de um corno, tento entrar na mente deles, provocá-los e observar o comportamento de homens que permitem que suas amadas esposas sejam fodidas por outro macho. Apesar de às vezes parecer, eu não humilho os cornos...eu os domino e a sutil diferença é muito importante, ao menos para mim.
Shamir



Eu estava tendo alguma dificuldade em dominar um casal que eu estava tentando submeter às minhas vontades. Já para foder a esposinha na primeira vez foi mais difícil do que eu estou acostumado. Tive que insistir, não foi de primeira e a reação do marido chegou até a me preocupar um pouco, o cara ameaçou me bater e isso eu posso garantir que nunca tinha me acontecido!
Yasser e Suri, ambos com vinte e cinco anos e casados a menos de dois foram um desafio para mim. Suri nem tanto, a moça é fogosa tem um corpo maravilhoso e gosta de sexo, percebi também que aprecia ser dominada na cama, quer e pede uma pegada forte! Yasser é problema, inseguro e agressivo ao mesmo tempo é grosseiro e não muito educado. É muito apaixonado pela esposa e ciumento ao extremo, às vezes maltrata a Suri em público por bobagens...por isso levou chifre e foi assim que eu conquistei a esposa, foi fácil convencê-la a se vingar e numa tarde ensolarada aqui em Floripa enquanto Yasser ganhava dinheiro fazendo bons negócios no mercado de ações eu investi na boceta da sua esposa, ganhei a jovem com relativa facilidade, no motel tratei ela como fêmea e mostrei como um macho de verdade fode uma boa vadia! Meti nela a tarde toda e quando terminei meu serviço ela estava apaixonada pelo meu pau...
Conhecedor de cornos que sou dei instruções detalhadas para a Suri:
-Você vai contar tudinho para ele, vai dizer em detalhes como foi fodida, vai falar do meu pau, dizer que é grande e que dentro de você eu toquei em lugares que ele nunca tocou, diga que eu enchi sua boca de porra e você engoliu tudo, diga que foi gostoso.
Suri ficou assustada, tinha medo de apanhar e eu tive que ser firme:
-Duvido! Acredite em mim...o teu marido é um fraco, toda a agressividade dele é medo, apenas isso...medo e insegurança!
Ela estava em dúvida e relutante:
-Mas Shamir...se eu contar que transei com você ele vai me expulsar de casa, pode me bater e me humilhar...
Eu usei toda minha habilidade de convencimento:
-Veja Suri, uma coisa eu posso te garantir...Yasser te ama, ama muito mesmo e vai tolerar qualquer deslize da tua parte, ele não só vai te perdoar mas vai aceitar que você tenha outro homem te fodendo, eu nunca me engano...teu marido tem todas as características de um corno e só precisa que você seja firme e não tenha medo. Diga de maneira clara que ou ele aceita um casamento aberto ou você vai larga-lo, vai funcionar...acredite!
No outro dia ela me liga...eu nunca ligo para elas:
-Shamir meu querido...eu falei com o Yasser...eu fui firme, fiz exatamente como você mandou, mas agora não sei...
Cortei com alguma rudeza:
-Não sabe o que?
Ela continuou meio insegura:
-Bom...o problema é que ele ficou quieto...quase não falou nada desde ontem a noite quando contei tudo e hoje cedo ele apenas deu bom dia e saiu sem ao menos tomar cafe...
Choque de corno, pensei. Cada um tem uma reação...Realmente é um momento muito difícil para o casal e muitas coisas podem acontecer, o cara pode aceitar, pedir divórcio, bater na mulher ou até meter uma bala na cabeça...Mas eu não quero assustar a lebre:
-Fique tranquila Suri, ele só está assimilando a novidade, é normal...e se ele pretendesse uma atitude intempestiva já teria feito...então eu acho que está tudo bem. Hoje a noite vou te visitar, ele vai estar em casa, certo?
Agora ela realmente ficou apavorada:
-NÃO SHAMIR !! Não venha por favor ... Não faça isso!
Eu fiquei quieto até ela se acalmar:
-Suri minha queridinha, você quer ser livre? Quer foder gostoso como ontem e várias outras tardes por semana? Me diga...você esta usando calcinha? Se estiver tire!
Ela não disse nada mas eu pude ouvir barulhos de movimentos e respiração irregular:
-Agora quero que você se toque meu amor, use sua mão imaginando que sou eu, meta os dedos na tua boceta...meu pau está quase te penetrando..me ajude a encaixar...vai amor...está tão gostoso...não está?
Ela geme e solta gritinhos no fone, me chama de safado e diz que não pode mais ficar longe de mim, então eu castigo:
-Pois é Suri, se você não fizer o que digo será condenada a passar uma vida vazia com sexo bobo junto com teu maridinho ciumento para sempre!
Ela caiu na realidade:
Está bem Shami...por que você vem aqui?
Eu fui meio misterioso:
-Você vai saber quando eu chegar, mas não diga nada ao teu marido. Eu vou chegar às oito horas, fique atenta, quero que você abra a porta. Eu vou ser muito ousado, muito ousado mesmo e você faça exatamente o que eu mandar, não se importe com o Yasser...ignore-o totalmente! Faça de conta que ele não está lá...mesmo que ele proteste você não vai nem olhar para ele!
Às oito horas eu chego ao apartamento do casal, sem problemas e usando minha simpatia passo direto pelo porteiro que não ousa me barrar...bato na porta e a Suri me atende, simpática mas nervosa...um leve e sutil tremor é percebido na sua voz:
-Shamir? Pode entrar...
Eu entro e logo vejo o Yasser parado de olhos arregalados e em atitude desafiadora no outro lado da sala...viro para a Suri e mando ela apoiar as mãos na enorme mesa da sala...ela vacila e parece não entender minha ordem, eu falo firme e muito autoritário:
-Suri! Apoie suas mãos na mesa!
Ela obedece, o marido dá dois passos em nossa direção mas um olhar meu, olho no olho o faz parar. Sure está tremendo e o Yasser está catatônico. Eu vou por trás da Suri, levanto sua saia e arranco sua minúscula calcinha jogando-a no chão bem no meio da sala. A bunda maravilhosa dela domina o ambiente, grande e bem feita é um pecado tentador...Suas longas pernas e as coxas grossas são perfeitas...mulher assim é mesmo para ser dividida..precisa de muito pau para se dar por satisfeita!
Abro meu zíper, tiro meu pau para fora e agarro a cintura da fêmea totalmente submissa apoiada na mesa e de cabeça baixa. Com os pés abro suas pernas afastando os tornozelos dela e depois começo a meter direto na boceta, ela ainda não está bem lubrificada, a penetração é rude e um pouco dolorosa mas eu sou paciente e toda a situação deixou meu cacete muito duro e babando um pouco, ela geme...um gemido rouco mesclando prazer e dor, então eu aproveito e enrolo seus longos cabelos negros na minha mão e puxo com força, ela joga a cabeça para trás sendo obrigada a encarar o marido que ainda permanece imóvel um pouco afastado. Eu completo a penetração e sinto meu cacete tocar lá no fundo...ela grita e neste instante eu me curvo e sussurro no seu ouvido:
-Agora peça perdão para ele...diga que você o ama e quer seu perdão...
Ela obedece e entre gemidos:
Aiihaiiii!!! Amo...amor, eu...eu te AMO! Me perdoe querido...Aiihhaiii...PERDÃO Yasser!
Yasser desaba no sofá da sala, seu rosto é de um vermelho muito vivo e seus olhos estão marejados. Eu estou quase gozando mas me controlo, espero a Suri disparar seus orgasmos seguidos, faço com que ela grite e que longos gemidos encham a sala criando um clima de luxúria e depravação, só então eu preparo minha carga. Tiro meu pau revelando um bom estrago na boceta, vermelha e inchada ela está bem aberta e escorrendo. Puxo os cabelos da Suri e a coloco de joelhos na minha frente...gozo com fartura em seu rosto, bato com força meu pinto na sua cara e espalho minha porra com gosto...quero mesmo ser meio cafajeste...depois meto meu pau naquela boquinha linda e faço a Suri limpar tudo direitinho...
Recolho meu pau , fecho o zíper e dando um "boa noite" rouco eu me retiro, assim no seco! Quando eu mesmo bato a porta do apartamento deixo para trás uma cena surreal no lar do casal. Uma esposa de joelhos na sala de visitas com o rosto coberto de porra do seu amante e o marido sentado em silêncio absoluto. No meio da sala a calcinha rasgada parece contar a história toda...Só posso imaginar o que aconteceu depois, como os dois lidaram com a situação...
Depois de uma semana eu já estava fodendo a Suri com uma certa regularidade, uma vez por mês eu visito o casal e faço sexo com pegada forte, trato ela como uma vadia bem na frente do marido! Yasser nunca fala nada mas agora está sempre mais relaxado, Suri diz que a vida sexual dos dois está boa...melhor do que antes e não se cansa de me agradecer...eu retribuo com afinco! Mas eu não me descuido com o Yasser, é o tipo de corno perigoso...estou atento!






ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.