"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Marcella - Traição


autor: Colecionador
publicado em: 08/12/16
categoria: traição
leituras: 3047
ver notas


No seguinte Marcella foi ao serviço apreensiva. Se sentia incomodada com a mescla de sentimentos que tinha toda vez que ficava frente a frente com doutor Antônio. No seu íntimo sabia que aquilo tinha um nome: tesão, e estava com medo de não resistir aos avanços de seu chefe.

Trabalhou pela manhã e foi almoçar em casa, coisa que raramente fazia. Ansiosa, tomou um banho caprichado, se enxugou e abriu o guarda roupa. Demorou a escolher a roupa e acabou optando por um vestido preto bem justo e um salto alto da mesma cor. Se maquiou, passou um batom vermelho e escolheu seu melhor perfume. E voltou pro serviço se sentindo bem, sem perceber que intimamente havia se embelezado para outro homem que não seu marido.

- "Hummm gata, tá vestida pra matar". Sussurrou Marina em seu ouvido, o que acabou lhe arrancando um sorriso. Se concentrou no serviço e quando percebeu já era 18:15h e a maioria dos funcionários havia ido embora.

Chegou na sala de seu chefe e ele pediu para que ela entrasse e se acomodasse no sofá. Marcella notou que ele já estava com os papéis da demissão nas mãos quando perguntou novamente:

- "Você está mesmo certa disso, Marcella? É o que você quer?"

Ela mentiu dizendo que estava certa, mas percebeu que seu chefe não havia prestado atenção em nada do que ela tinha falado e olhava fixamente para ela, a comendo com os olhos. E aquele olhar de Antônio ao mesmo tempo que a deixou com muito tesão a ponto de encharcar a calcinha, lhe deixou com raiva pelo fato de ele a ignorar.

- "O senhor está me ouvindo, doutor Antônio?"

- "Sim Marcella, mas eu mudei de idéia." - Disse enquanto surpreendentemente rasgava os papéis da demissão e os jogava no lixo.

- "Porque o senhor fez isso?"

Antônio se aproximou bastante e com uma mão passou a tocar nos braços de sua funcionária, para em seguida passar a carinhos no rosto e na boca. Marcella tentou em vão se desvencilhar daquelas mãos, mas não controlava mais os seus atos; ficou sem reação ao sentir as mãos e o calor de seu chefe.

- "Eu não irei te demitir porque você está sendo covarde. Você está fugindo dos seus desejos. Eu sei que você quer a demissão porque assim como eu não aguenta mais de tesão e está louca para ser possuída por mim. E este dia é hoje."

E sem pensar duas vezes ele beijou sua funcionária, que a esta altura estava totalmente entregue retribuindo o beijo. Um beijo envolvente, intenso, úmido e cheio de vontade, que fez esgotar a última resistência em Marcella. Enquanto curtia o beijo que desejava intimamente há dias, ela sentia as mãos de Antônio passeando pelo seu corpo, principalmente coxa e seios, até se concentrar na calcinha encharcada. Antônio percebeu e enfiou dois dedos, arrancando um suspiro profundo na amante. Não tardou e ele a conduziu até o carro, não sem antes beijar demoradamente os seios duros de sua funcionária.

- "Para onde o senhor está me levando?" Pergunta, já no carro.

A resposta veio rápida quando entraram no primeiro motel que encontraram. Assim que chegaram ao quarto Antônio jogou Marcella na cama e de uma maneira bruta e firme arrancou suas roupas e da amante. Já completamente nus Marcella observou o pau de seu amante e não deixou de reparar que ele era bem maior que o de Joel. Enquanto pensava se iria gostar de ser penetrada por um pau tão grande, foi surpreendida pelo avanço de Antônio que sem nenhum "aviso" a penetrou, fazendo com que ela gritasse de dor ao ter sua buceta apertada ser arrombada por um cacete grosso. Mas a dor foi substituída por uma sensação deliciosa gerada ao sentir aquele pau duro alargar sua buceta. Ela gemia alto recebendo as estocadas,até que resolveu pedir para chupar o pau de seu chefe. Antônio prontamente concordou e deitou na cama oferecendo seu membro duro.

Marcella então começou lambendo a cabeça grande e rosada, e assim chupando fazia seu chefe gemer de tesão. Em seguida desceu a língua e começou a lamber as bolas para depois subir em direção ao pau grosso para abocanhá-lo por inteiro, lambuzando o cacete com sua saliva. Antônio, delirando de tesão, pegou Marcella pelos braços e a colocou de quatro para voltar a penetrá-la. Apertando a cintura dava tapas na bunda de sua funcionária enquanto falava:

- "Putinha vagabunda, rebole no cacete de seu dono. Geme alto enquanto o corno de seu marido tá sozinho em casa."

Enquanto falava as mãos de Antônio buscavam o grelinho da amante para massageá-lo e aumentou o ritmo das estocadas, passando a dar tapas na bunda de Marcella, que não aguentou:

- "Ai cachorro, me come. Fode sua cadela, fode! Ah... Vou gozar! Aaaahhhh!!!"

E assim aos berros gozou intensamente se jogando na cama. Passado algum tempo, após uns carinhos, Antônio sussurrou em seu ouvido:

- “Quero comer seu cuzinho”.

- "Meu cu, doutor? Ele não... Eu nunca fiz anal."

- "Eu quero, e terei."

E assim ele a deitou e começou a enfiar aquele volume todo em no cuzinho após uma leve lubrificação com o mel da amante que já escorria abundantemente. Ela sentiu uma dor forte que ao mesmo tempo que incomodava era muito gostosa. Para facilitar Marcella jogava o quadril para frente para poder acomodar todo aquele volume dentro dela. Doía muito, mas ela estava disposta a fazer o que ele quisesse. Após a difícil penetração Antônio metia forte em um vai e vem intenso e Marcella olhava para seu chefe e via aquela cara safada sorrindo de volta.

- "Seu cachorro safado, está abusando de mim."

- "Não estou fazendo nada que você não queira, mulher."

- "Está com tesão, doutor?"

- "Muito, minha safada."

- "É muito bom ver que proporciono tamanho tesão no senhor." Disse com os olhos cheios de lágrimas, causadas pela dor e emoção. Antônio percebeu que o volume era muito para sua amante, tirou o pau de dentro e falou para que ela o chupasse novamente. Ela caiu de boca sentindo no pau de Antônio o sabor de sua buceta e seu cuzinho e assim ficou por minutos com a boca chupava com tesão Antônio.

- "Isso minha putinha. Mama no cacete de seu dono. Ah, vou gozar! Toma o leite de seu macho!"

E com o cuzinho latejando e com o seu próprio mel escorrendo pelas coxas Marcella recebeu as golfadas de porra em sua boca, e engoliu até a última gota daquele esperma quente. Era a primeira vez que engolia porra de um homem, e percebeu que havia perdido muito tempo com "nojinho", como Marina dizia.

Estava consumado, pela primeira vez Marcella havia cometido uma traição. E deitada na cama de um motel nua, estafada, com o cuzinho destruído, a buceta ardendo e a boca cheia de esperma, Marcella se sentia suja, se sentia uma puta. E por incrível que pareça estava adorando se sentir assim.

Pouco depois se arrumaram e ele foi embora deixando o dinheiro do táxi e a vontade de mais sexo em Marcella, que a partir daquele dia nunca mais seria a mesma...

Chegou em casa atordoada pelos sentimentos e pensamentos, e se viu obrigada a mentir para o marido:

- "Já chegou? A faculdade acabou mais cedo hoje?"

- "Sim querido, fim de semestre tem menos aulas."

Após tomar um banho e cuidar do bebê foi que a razão resolveu dar as caras. Olhava para o marido e pensava como poderia ter feito isso com ele, mas logo pensava no que havia vivenciado com Antônio e se arrepiava toda. Na hora de dormir Joel a procurou e ela se entregou. Mas enquanto era penetrada pelo marido tudo em que pensava era nas estocadas firmes, no cheiro e no toque de seu chefe. Quando Joel gozou ela foi junto, relembrando os momentos de horas atrás.

Adormeceu se sentindo uma puta, mas com tantas dúvidas e algumas certezas: se era errado o que fazia, por outro lado era delicioso. E se a cabeça dizia não, o corpo implorava por mais. Duelo injusto, não?



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.