"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Priminha do interior


autor: betoprof
publicado em: 11/08/17
categoria: hetero
leituras: 2416
ver notas
Fonte: maior > menor


Olá pessoal, tudo certo com você? Acho que todos aqui já tiveram uma tara por algum primo ou alguma prima, bom pelo menos se você é uma prima pode ter certeza que algum primo já teve um pensamento libidinoso com você.

Bom comigo não era diferente sempre tive um apego maior por uma prima minha que morava no interior do estado, ia frequentemente visitar minha vó na cidade então tínhamos muito contato. Carla era uma menina bem magrinha com seus 16 anos, chamava muito minha atenção, por ter começado a namorar bem cedo com 17 anos ela teve seu primeiro filho, me dava muito bem com o marido da Carla, o que me fazia ir ainda mais para a cidade deles, ia para visitar minha vó e aproveitava para ficar o final de semana todo, incluindo visitar minha prima e o marido onde sempre que íamos rolava aquela festa, churras e bebedeiras a noite toda.

E foi assim por muito tempo, sempre que dava ia visitar eles para fazer aquela festa, bom sempre tive olhares mais maliciosos pela minha prima, sempre que podia e dava demorava mais no abraço, ou depois ao se despedir, e quando estávamos todos bebendo tudo era motivo para um abraço apertado, um beijo no rosto, como já nos conhecíamos o marido da minha prima não estava preocupado pois confiava em mim e de fato poderia confiar pois jamais faria algo com a minha prima, até porque a amizade pra mim era mais importante.. Mas nos meus sonhos e pensamentos, já tinha fodido a minha prima algumas vezes.

Bom certo dia eu já com 31 anos e minha prima com 25, as frequências das festas e visitas continuavam geralmente eu ia para o interior mais do que eles vinham para a minha cidade, mas nas ultimas vezes que fui sentia o clima muito tenso entre os dois, já não disfarçavam mais e brigavam na frente das pessoas que estavam nas confraternizações, até que um dia veio a notícia do termino dos dois, o que me deixou bastante abalado pois como disse acima de tudo tinha uma amizade muito grande pelo marido dela, e nunca pensei que os dois pudessem terminar.

Cerca de um mês depois, já tínhamos marcado de fazer uma festa junina na casa deles, como minha prima morava perto da casa dos pais dela porem a casa dela era maior geralmente nos reuníamos todos la, cheguei a cogitar de não fazermos nada pois não haveria clima devido ao termino dos dois, mas ela prontamente respondeu que não, que já estava marcada a bastante tempo e que isso serviria para ela também curtir um pouco, então no dia da festa me mandei para a casa dos meus tios.
Durante a tarde eu e meus primos fizemos a fagueira na frente de casa, nada muito grande era mais simbólica do que fogueira mesmo de festa junina, enquanto minhas primas faziam as comidas que comeríamos durante a festa, e meu tio já colocava fogo na churrasqueira para a carne que não poderia faltar.

Durante a festa ninguém tocou no assunto e foi bastante divertida, geralmente todos que chegavam na festa levavam uma caixa de cerveja para completar as bebidas da festa por isso sempre era regada a bastante bebida e assim foi noite passou tão rápida e tao divertida que quase não notei que já eram 4 da manhã, fui olhar para o relógio somente quando meus tios se despediam da minha prima perguntando se ela não queria que levasse o filho dela para dormir na casa deles pois ali o som estava muito alto, minha prima falou que não precisava que ela já havia dormindo que poderia cair a casa que ele não acordaria, então meus tios foram..

Depois aos poucos meus primos também foram indo, no final ficando somente eu minha prima e um casal de primos, os dois levantando-se me convidaram para dormir na casa deles, porém minha prima disse que já havia arrumado a cama pra mim pois imaginará que eu beberia de mais, o que de fato aconteceu então eles foram. Minha prima disse que iria arrumar as coisas somente amanhã pois estava muito cansada e fomos nos deita, com na casa tinha dois quartos somente o do filho da minha prima e o dela, ela acabou fazendo uma cama improvisada pra mim na sala onde do jeito que eu deitei acabei dormindo.

Cerca de 1 hora depois escutei barulhos no chão de alguém caminhando, me virei e vi minha prima passando, somente com uma regata fininha e de calcinha. Acendendo a luz da cozinha. Fiquei imaginando aquela imagem quando me peguei ficando de pau duro, só de cueca nem me lembrava de ter tirado a calça par adormir, reflexo claro da noite regada a bebida que tivemos.
Bom eu precisava ver minha prima de novo de perto só de calcinha, precisa registrar aquela imagem para futuramente lembrar-me dele desse jeito, então pensei comigo, “Vou fingir que estou indo beber agua, e me deparo com ela na cozinha, e finjo não saber que ela estava ali”, bom plano bolado, me encaminhei para a cozinha somente de cueca já pensando que se ela me visse de cueca poderia rolar algo.

Virando e entrando na cozinha, vejo ela com ligando o fogo para aquecer uma agua que estava na chaleira, e falo: -“NOSSA, PRIMA NÃO SABIA QUE VOCÊ ESTAVA AQUI.. ME DESCULPE”, Carla responde “PARA NÉ BETO, VOCÊ QUER UM CAFÉ”, pensando rapidamente que seria a oportunidade de passar mais tempo olhando ela assim responde que sim. Fui chegando mais perto dela falando que tinha exagerado na bebida, ela sorrio confirmando com a cabeça como se tivesse falando que ela também. Quando me aproximei mais não conseguia tirar o olho da bunda da minha prima que estava ali exposta somente de calcinha não sei se ela não havia percebido que estava somente de calcinha ou se realmente não tinha vergonha alguma de estar assim. O problema foi que meu pau ficou duro na hora, como quis ir de cueca não tinha como esconder, então virei de costas pra ela e fui indo em direção da mesa passando para o outro lado, e sentando-me em uma cadeira, assim tinha a mesa escondendo minha Rola, coloquei uma das minhas mão por baixo da mesa, e comecei a acariciar meu pau vendo minha prima de costas, era uma imagem deliciosa me lembro como se fosse hoje, camisa regata branca daquelas fininhas de pijama, e uma calcinha de algodão amarelinha com rendinhas pequenas brancas ao redor.

Estava ali entretido olhando pra ela e me acariciando, quando minha prima vira de repente com as xicaras de café e me pergunta: - “O QUE VOCÊ TA FAZENDO?”, Prontamente eu respondo que não estava fazendo nada, então Carla da a volta da mesa e se senta na cadeira ao meu lado, e fica de frente pra mim, eu continuo virado para a mesa, se virasse pra ela ela viria minha Rola grossa dentro da cueca, tive por um momento medo de eu isso pudesse assustar ela e fazer com que ela achasse errado. Conversamos por uns 5 minutos referente ao relacionamento que havia terminado, ela me dizia que estava bem.. que a única coisa que sentia falta era dormir com alguém. Eu confesso que não prestei muito atenção ficava disfarçando e olhando para os seios da minha prima que estavam durinhos fazendo ficar moldado na regata fina e apertada que ela usava.

Em um momento de pausa, Carla olhou pra mim e disse: “BETO, ME FALA O QUE VOCÊ TAVA FAZENDO QUANDO EU VIREI ANTES”, “QUANDO? ”, Eu questionei. “VOCÊ SABE?”, nisso Carla se aproximou e passou a mão por debaixo da mesa tocando o meu pau, um pouco sem graça, disse a ela desculpe não sei o que deu em mim, ela só sorrio e falou que estava tudo bem, não precisava esconder, e pediu pra ver. Nesta hora questionei ela sobre o filho, ela apenas disse que ele não acordaria neste horário depois de brincar a noite toda, então fui virando para frente dela, ela ainda com a mão segurando meu pau por cima da minha cueca, toda aquela situação de perigo, os pais dela morando do lado, o filho dela dormindo no quarto na mesma casa, me deixava tenso, porem com um tesão maior do que o normal.

Carla se aproximou e me beijou, passei a subi minha mao passando por traz da nunca dela, puxando ela com força contra a minha boca, começando um beijo forte, como se fosse um sentimento mutuo todas aqueles abraços mais demorados, aqueles carinhos durante as festas, como se os dois sentisse a mesma vontade mas respeitavam o fato de que ela tinha um relacionamento, mas agora não existia mais o beijo era gostoso, era molhado, a minha língua se entrelaçava a língua de Carla como se as duas brincassem em uma montanha russa.

Carla tomou a iniciativa, com uma das mão puxou a minha cueca para baixo, deixando exposto o meu caralho segurando firme com uma das mão, em um movimento forte puxou todo ele pra baixo deixando a cabeça do meu pau exposta totalmente, em seguida subiu lentamente fechando a totalmente a a cabeça, em seguida o mesmo movimento novamente, cada movimento a sua mao segurava mais firme o meu pau, era uma dor misturado com tesao que me levava a loucura, soltei uma gemida de prazer.

Carla começou um movimento agora aliviando um pouco a pressão e me punhetando com uma das mão, comecei a passear com minha mão pelo seu corpo, retirando uma das alcinhas pelo ombro de Carla fazendo-a cair ate seu cotovelo, deixando a parte da frente pendurada somente pelo bico do peito da Carla que estava duríssimo. Fui descendo com minha boca, Beijando o queixo dela, passando pelo pescoço, buscando o atalho em direção a seu peito, enquanto isso Carla não diminuía o ritmo da punheta mesmos suspirando quando dei a primeira chupada no seu mamilo, era rosado, por ser magrinha seu peito era pequeno e bico bem rosado, e em seguida passei a língua assoprando bem devagar, senti os pelos dela se levantando, continuei ali beijando, chupando, lambendo os peitos dela que nesta atura já estavam os dois para fora, sua blusa já estava na barriga, ela havia ajudado a tirar as duas alcinhas.

Carla não parava de me punhetar neste ritmo iria gozar, então tirei a mão dela, me colocando de joelhos na frente dela, colocando as duas pernas dela uma em cada ombro, ela ainda estava com aquela calcinha amarelinha, ao qual puxei para o lado somente para deixar a bucetinha de Carla a mostra para mim, passei um dedo vindo da bucetinha passando pelos lábios ate chegar no carocinho delicioso na ponta da sua buceta, constatei que Carla estava molhadinha, este liquido que as mulheres soltam eu acho uma delícia, o cheiro o gosto, não perdi tempo aproximei minha boca da buceta de Carla e comecei a chupa-la, que buceta gostosa, branquinha, lisinha, com os lábios saindo pra fora. Carla levou uma das mão e segurou firme meu cabelo, quase puxando e a outra mão segurou na borda da cadeira, se segurando, e exclamando: “NOSSA PRIMO QUE LÍNGUA GOSTOSA,NÃO TIRA ELA DAIII”, Claro Que eu obedeci, fiquei chupando ela hora com movimento ciculares, hora com movimentos de cima pra baixo, retornando com a língua de baixo pra cima, intercalando com sopros suaves para deixar um geladinho na sua buceta, Carla estava gemendo já quando introduzi meu dedo na sua buceta, fazendo pressão na parte de cima dela, em um movimento de vai e vem somente com meus dedos pressionando a buceta de Carla, Carla começou a puxar pra valer o meu cabelo, travando minha cabeça com as suas pernas, de repente Carla solta meu cabelo, e com as duas mao segura nas extremidades da cadeira, e solta um gemido um pouco abafado um pouco ela não conseguia abafar...”AHHHHH, AHHHHH, TO GOZANDO, TO GOZANDO”, momentos depois tentava lambar mas Carla afastava falando que estava dando choquinhos, ofegante ainda, Carla se aproxima e me beija carinhosamente, tateando buscando novamente meu pau com uma das mão voltou a me punhetar, falando que nuca tinha gozado sendo chupada... fiquei surpreso, ela me perguntou onde eu queria gozar, falei que gosto de ver a pessoa olhando pra minha porra saído (pode ser uma tara mais adoro), então ela se levantou e disse: - “ENTÃO ME AVISA ANTES DE GOZAR”, Carla virou de gostas pra mim, e foi descendo seu corpo dente ao meu suas costas rente ao meu peito, encaixando o meu pau em sua buceta, senti o quão molhada de gozo estava, Carla então se inclinou pra frente colocando as mão em uma cadeira que havia na frente, e começou o movimento de vai e vem, penetrando meu pau em sua buceta, hora bem vagarosamente hora em movimentos mais rápidos , rebolando, socado, gemendo.

Vendo que estava quase gozando, tirei minha prima de cima, para dar uma refrescada, moldei o corpo dela para que ela posicionasse os cotovelos em cima da mesa, coloquei a cabeça do meu Pau novamente na bucetinha da minha prima e comecei a bombar, puxando o cabelo dela para traz, ela virou o rosto e começou a me encarar, soltando gemidinhos de prazer, eu falava pra ela o quanto eu queria aquilo, a medida que ia estocando mais forte nela, que voltou a se apoiar na mesa, dessa vez empurrando seu corpo contra o meu...em uma dessas meu pau acabou saindo da bucetinha da minha prima, então extasiado pelo tensão ao invés de voltar na buceta comecei coloquei na entradinha do cu de Carla e fui empurrando carinhosamente, Carla não teve reação alguma, parece que queria mas tinha vergonha de pedir, comecei a bombar o cu da minha priminha...ela aumentou o gemido... olhou pra trás e disse que estava gostoso de mais que iria gozar de novo, que era pra para apertar a bunda dela, e meter ate encostar a barriga na bunda dela, e começou a gemer e tremer, tentando segurar na mesa mas não conseguindo, Carla gemeu gostoso, me deixando louco... quando Gritei: - “VOU GOZAR”, Carla ainda tremendo se virou para mim de joelhos, pedindo para gozar na boquinha dela, me punhetando novamente e olhando para a cabeça da minha Rola como havia pedido para ela...Não demorou muito para encher o rosto dela de Porra, que escorria pelo queixo e por entre os seios de Carla.

Foi delicioso, foi maravilhoso, aquelas fantasias que você monta em sua cabeça, mas quando realiza é melhor do que você imaginou.

Obrigado pela leitura, e até a próximo conto vivido por mim.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.