"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Fiz minha filha muito feliz.


autor: italiano
publicado em: 26/09/17
categoria: incesto
leituras: 5695
ver notas
Fonte: maior > menor






Minha esposa nos deixou cedo, tive então que criar praticamente sozinho minha filha Deise, agora com 23 aninhos, flor da idade, como todas as novinhas, corpo bem torneado, bumbum grande, peitos médios, boca carnuda, cabelos longos quase até a cintura, puxando para o loiro, olhos verdes e pele branquinha.

Já eu, um coroa, na casa quase dos cinquenta, branco, 1,72m, olhos castanhos, cabelos bem aparados.

Como a criei, temos uma certa liberdade, falamos sobre tudo, e, procuro instrui-la muito, uma vez que sexo hoje em dia se inicia cada vez mais cedo, embora Deise, começou a ter relações a cerca de 01 ano apenas, pois conversamos a respeito de sua virgindade, e quando ela achou que era a hora certa, a levei a um ginecologista, que prescreveu sua pílulas, embora , sempre compro camisinhas para ela, não deixando faltar.

Deise namora um rapaz, a cerca de 2 para 3 anos, e sexo até então foi só com ele.

Era um feriado prolongado e estávamos em casa, seu namorado tinha viajado a outro estado e só voltaria dai a 15 dias. Estávamos num sábado, tempo quente, eu estava só de short, sem cuecas, e ela só de camiseta e calcinha ( tínhamos uma certa liberdade por morarmos só os dois).

Estávamos tomando umas cervejinhas e conversando, sentados a mesa da cozinha.

Papo vai , papo vem, ela resolveu me dizer que andava chateada com o namorado, e , eu quis saber o porque.

Como jogávamos aberto um com o outro, ela me disse que seu namorado, desde o dia que tirou sua virgindade, só ficava no papai e mamãe, e não fazia outras coisas, e que ela tinha curiosidade nas variações possíveis do sexo.

Com calma, disse a ela, porque você não conversa com ele? E diz suas vontades, se insinua, mostre o que quer.

- Mas papai, já tentei, conversei, ele diz que não consegue, que na hora não fica a vontade.

Quis saber que tipo de variações seriam essas então que deixam o rapaz constrangido e tal.

- Nada demais papai, sexo oral, vaginal em varias posições, por exemplo de 4, de ladinho , por cima, sexo anal, um 69 hummmm deve ser bom, rsrsrsrsrsrsrs, disse rindo.

- Filha, se é só isso, não há nada demais, são naturais, e , puxa, curiosidade num anal, é bom, normalmente é o contrário, os homens querem , as mulheres não rsrsrsrsrsrs, eu disse rindo.

Ela me perguntou se eu já tinha experimentado essas variações, eu disse – Sim, claro são muito gostosos de se fazer, fiz muito com sua mãe, principalmente oral.

Continuamos bebendo e conversando, onde o sexo, era o tema principal.

Nossas latinhas terminaram e ela se levantou para pegar mais, foi quando vi o fundo de sua calcinha que estava visivelmente molhada, Deise, nossa você está tão molhada que molhou a calcinha toda....

Imediatamente ela corou e tentou tapar com a mão, percebi o constrangimento, e retruquei.

- Filha, não fique assim, ficar excitado é natural, principalmente quando falamos sobre sexo.

-Desculpa papai, é esse assunto.....

-Tudo bem, eu disse interrompendo, não fique envergonhada, pois eu também fiquei excitado, só não levantei da cadeira.

Ela riu meio sem jeito e disse , duvido, não tive duvidas, levantei, e ela não tirou o olho, percebendo meu volume, que não era pequeno, aliás, tenho um pênis respitável, e , grossinho.

- Viu filha, estamos quites agora ,eu te vi , e você me viu, então chega de vergonhas.

-Ahhhh pai, mas dá vergonha mesmo assim, você viu minha periquita molhada, rsrsrsrsrsrs.

- Vi sim, mas já cansei de ver sua periquita, já cansei até de lavar ela, e, limpar sua bundinha, que agora já é um bundão, afinal , você já é mulher, e não mais a garotinha de antes.

Caímos na risada, e ela falou que voltando ao assunto, estava pensando em terminar o namoro, pois queria realmente aprender outras coisas.

Disse mais uma vez para pensar com calma, e tentar outras vezes, quem sabe ele não tome jeito?

-Não sei não disse ela, do jeito que vai indo, tá de mal a pior, pai, poxa, que tem de mal eu gozar gostoso? Será que não tenho direito?

-Tem sim filha, toda mulher tem direito a gozar gostoso e conhecer um dotado pelo menos uma vez na vida.

-Dotado que nem você papai? Riu novamente...... – sim, porque não? ( eu disse )

-Pai, sabia que tô me segurando agora? Tá muito melada, desculpa pai........ corando novamente.

-Calma filha, sou seu pai, não podemos fazer nada.....

-Eu sei, tô com tesão e com muita vergonha ......

-Também estou com muito tesão, eu disse, e me levantei da cadeira pra pegar mais uma gelada.

Ela me seguiu com os olhos, parei de frente com ela, e ela olhando para meu pau dentro do short, mas querendo saltar para fora, olhei os bicos dos seios e estavam durinhos, realçados pela camiseta sem sutiã.

Não sei o que deu em mim, mas com a mão toquei em seu seio, e , imediatamente ela fechou os olhos e suspirou, senti o volume de seu seio que encheu toda minha mão.

Ao mesmo tempo eu disse, - Não, não podemos, mas minha mão lá.

Ela de olhos fechados, com a mão procurou meu pau no short, e assim que encontrou, agarrou fechando os dedos- Não pai, não podemos..... abriu os olhos e me encarou, com cara de quero mais.

Senti que algo ia sair dali, pois estava inevitável. Ela levantou e ficou de frente para mim, com uma das mãos afagando meu pau, e eu agora brincada não com um , mas os dois seios.

Acabamos num beijo apaixonado, com muita língua, procurando nos comer com a boca, agora minha mão procurava seu peito, por baixo da camiseta, estava duro, biquinhos maravilhosos, abaixei e ao mesmo tempo levantei sua camiseta, tirando-a, e deixando somente de calcinha.

Cai de boca naqueles peitinhos e chupei com volúpia, Deise gemia baixinho em meu ouvido.

Devagar a levei para o sofá na sala, e ela se deixava conduzir, deitei ela e devagar tirei sua calcinha e ao mesmo tempo que ia baixando, vinha chupando seus peitos, beijando sua barriga, descendo para a virilha, chegando em sua buceta, que mal se separava da calcinha, já ganhava minha língua.

Deise agora se contorcia e gemia enquanto era chupada em todos os cantinhos, sentia em minha boca seu sabor, sabor de femea no cio, ia correndo a língua, subindo ao clitóris, e vinha descendo, passando pela entradinha de sua gruta melada, indo até o cusinho, onde dava uma forçadinhas com a língua, e voltava, correndo a língua de volta para a buceta, rosada, melada, com sabor de mulher, indo ter de novo no grelinho.

Ela gemia e se contorcia cada vez mais, até explodir num gozo maravilhoso, e apertando minha cabeça com as pernas, senti seu mel, que tive o prazer de sorver e engulir, sentindo seu sabor de mulher.

Deise agora se levantou e me empurrou para o sofá, rapidamente arrancou literalmente meu short, colocando meu membro para fora, segurou com as duas mãos, olhando e movimentando, -Pai, nossa, que pausão grande, com o short não dava pras saber que era tudo isso, disse ela já abocanhando a glande.

Chupava e lambia, corria a língua por todo ele, indo até o saco, e voltava na cabeça, o qual abocanhava e tentava por todo na boca, mas sem sucesso, masturbava lentamente, e sorvia a cabeça lambendo de forma voluptuosa, senti que o gozo vinha vindo, tentei parar, e , ela percebendo disse, -Não, agora é sua vez, acelerou a punheta, chupava agora com fúria, querendo tudo na boca, não aguentei e gozei então em sua boca, parte escorreu pelo seu rosto, parte ela engoliu, continuando a chupar até deixá-lo limpo.

Meu pau amoleceu, como era normal, ela veio e começamos a nos beijar, ficamos deitados, nos beijando, ela me punhetando o pau agora mole e eu bolinando sua bucetinha.

-Era disso que tava falando pai, queria chupar uma rola e ser chupada....

-Isso você já conseguiu, agora vai ter mais filha, na buceta e na bundinha.....

-Você põe devagar pai, sou virgem atrás!....

-Claro, você é minha filha, jamais iria machucar......

Pouco tempo depois , meu pau já dava sinal de vida, mesmo porque fazia tempo que não tinha uma mulher.

Novamente ela chupou, mas para acabar de endurecer, uma vez rijo de novo, voltamos a ativa.

Chupei sua buceta novamente, agora para melar o máximo possível, pois sabia da bitola do meu pau.

Sentindo ela pronta, comecei a pincelar a cabeça do pau em sua buceta, a cada vez que o fazia, ela suspirava de tesão.

-Vai, põe isso ai dentro , vai....

Devagar, comecei a empurrar, senti resistência e ela também, deve ter doido um pouco( depois ela confirmou que sim, não estava acostumada com aquele tamanho). Voltei, e fui bem mais lento, empurrando, sentindo ceder um pouquinho, ela gemia, escancarava as pernas como querendo abrir mais a buceta, senti entrando, suas paredes apertadas, foi entrando aos poucos, fui sentindo cada centímetro de sua buceta carnuda, quente, úmida ,e ela, também cada cm do meu pau, duro, pulsante, uma vez dentro , ficamos parados nos beijando, e , lentamente começamos a mexer, logo ela estava levando rola como merecia, assim que acostumou, a virei de 4 e comecei a estocar forte, sentia bater em seu útero, ela gemia alto agora, tremia toda, minha pica entrando e saindo toda daquela buceta maravilhosa que agora sabia o que era uma pau de verdade.

Fiz todos seus desejos, de várias posições, gozou mais de três vezes, por último me deitei e ela veio por cima, agora cavalgando em minha pica, fazendo eu gozar, enchendo sua bucetinha de porra quentinha.

Caímos no chão extasiados, a sala cheirava sexo pela mistura de nossos corpos.

-Papai, você me arrombou. Dizia ela....

- O próximo será seu cuzinho querida..... deixa só papai descansar um pouco.....

-Pai, disse ela olhando nos meus olhos, e mexendo no meu pau, tenho medo, é grande, foi dolorido pra entrar na buceta, senti me alargando toda, friccionando a parede da minha bucetinha. Agora posso dizer não ser mais virgem , mas não sei se vou aguentar na bundinha....

-Deise, vai aguentar sim, é questão de jeito, te dei rola na buceta como mulher, e agora vai levar um macho no rabo.....

Descansamos, cochilamos e logo acordamos, já refeitos da primeira foda, começamos por um 69 e senti seu mel misturado com meu néctar em sua buceta, que logo estava melada de novo, meu pau também já a ponto de bala, agora era o cuzinho que receberia atenção.

Mas numa volta e um pulo genial, ela estava por cima, e meu pau entrando em sua buceta de novo, demos mais uma metida de uns minutos e tratei de prepará-la para o anal, deixei ela de quatro e chupava sua buceta e cuzinho , alternando os dois, deixando-a muito melada e com o cuzinho piscando, era o que eu queria.

Pegamos um lubrificante, e coloquei um dedo, mexendo devagarinho e depois acelerando, passando a dois dedos, ela gemia e rebolava. Naquela posição de quatro não aguentei ver a bucetinha rosada e coloquei a pica de volta pra dentro, e colocando o terceiro dedo n0o rabinho dela, que voltava a gemer alto.

Após o rabinho amaciado, tirei meus dedos, tirei meu pau de sua buceta quente e apontei no rabinho e fui forçando, ela reclamou que estava começando a arder.

Disse aguenta meu amor, já vai passar, parei e fiquei assim até ela acostumar, e forçando novamente, foi mais um pouquinho e reclamou de novo, ardor e leve dor, continuei até que fez um ploc, e a cabeça pulou para dentro , já passando o esfíncter, ela deu um pulo gritando ai........., fiquei firme, e a segurei pelos quadris, aos poucos foi entrando todo, só parei quando meu saco parou em seu quadril.

Ficamos vários minutos conversando sacanagens enquanto estávamos parados sem movimentar, deixando que ela começasse os movimentos, não sei quanto tempo levou, mas meu pinto duro pulsava na sua bunda, ela parada aguentando firme, e nos conversando falando muitas besteiras, foi gostoso isso, quase gozei....

Aos poucos ela foi se soltando, e logo estava aguentando a tora toda, currando seu cuzinho até então virgem, aumentando os movimentos. Comendo gostoso aquele cuzinho, fodemos gostoso, ela gemia, urrava, que delicia, fode, come meu cuzinho, vai fode......

Fomos automaticamente aumentando os movimentos saindo quase todo, e entrando tudo até o fundo, com velocidade, com força, com tesão, -Pai.... vou gosar, aumentei mais e explodimos num gozo juntos, suas pernas estremeceram , senti jatos de porra saído do meu pau, dentro da bunda dela, caímos deitados, e abraçados, senti escorrer porra de sua bunda, e ali ficamos, e acabamos dormindo até outro dia.

Nesse feriado fodemos o dia inteiro todos os dias, e de lá pra cá temos feito sexo das mais variadas formas sempre que possível.

Ahhhhh, o namorado? Continua com ele, mas o sexo é comigo.

















ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.