"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Amiga fura olho


autor: odeflor
publicado em: 30/09/17
categoria: traição
leituras: 1760
ver notas
Fonte: maior > menor


Estava casada com meu ex, morávamos em uma casa confortável e tinha também uma vida confortável, saiamos passeávamos enfim uma vida boa, num desses passeios carnaval em Salvador conhecemos um outro casal e ficamos amigos descobrimos que morávamos na mesma cidade idade e vida social parecidos.

O casal era um rapaz baixo um pouco fora de forma advogado, já a mulher era o oposto alta loira bonita, quadril avantajado seios com silicone, fazia academia com tudo em cima e falava bem, era jornalista viajava bastante devido seu trabalho, ficamos amiga de confidencias mesmo sempre estávamos juntas. Ela contava detalhe de sua vida conjugal eu contava detalhes da minha, dividia até quantas bimbadas cada um deu na noite se foi bom se queríamos mais enfim éramos confidentes mesmo.

Meu marido quando fazíamos sexo ele se empolgava me chamava de cadela, cachorra de negra vagabunda gostosa eu gostava e tinha um nomes para ele também, e de repente ele começou a me chamar de bunduda vaca deixou até a escapar loira rabuda, fiquei com uma pulga atrás da orelha afinal eu era morena negra onde ele arrumou essa comparação, mas tudo bem na hora do rala e rola vele tudo. Cheguei a perguntar porque me chamou de loira rabuda ele disse que tinha visto em um filme pornô e escapou.

Essa amiga começou a chamar para sairmos quando não era o casal era nos duas me chamava para passear a tarde comprar roupas e acabávamos tomando um sorvete, um café até uns chopes a conversa sempre acabava em sexo com nossos maridos. Um dia ela me disse que seu marido estava deixando a desejar não a procurava mais como antes, foi ai se ele teve aquela aventura na viagem, seu marido dava uma já saia de cima ela estava bem insatisfeita com o sexo entre os dois, eu sempre falava que o meu estava ótimo meu marido fazia o dever de casa direitinho gozava no meu seios me sujava toda e até contei que me chamou de loira um dia desses e demos risada.

Ela me disse que estava pensando em algo para aquecer a relação com o marido até me sugeriu uma troca de casais um ménage ou fazer sexo junto os dois casais sem troca de parceiro no mesmo quarto. Não aceitei afinal quem estava com problema era ela, eu ia deixar meu marido para ela apreciar vai que ela gosta quem dança sou eu.

Ela insistiu varias vezes, não aceitei sugeri ela contratar um garoto de programa ou uma garota sei lá para ascender a chama, ela não fez nada e um dia me falou que nem gozando dentro o marido estava mais, achava até que ele tinha outra, tentei ajudar mas não me meti na relação afinal problema de marido e mulher e melhor ficar de fora.

Ela frequentava minha casa encontrava meu marido dava beijinho no rosto e ficava só misso, saiamos a noite os dois casais e não rolava nada era apenas para distrair beber um pouco e logo voltávamos para casa.

Um dia ela me contou que tinha saído com um garoto de programa, contou os detalhes contou que foi bom descarregou o tesão, fizeram sexo a tarde inteira o cara era bom de cama pegou ela em varias posições chupou ela toda, deu vários tapas na sua bunda mas estava preocupada naquela loucura a camisinha tinha rasgado e ele ejaculou, tentei deixar ela calma falei se ela estava nos dias fértil ela disse que não mas mesmo assim estava com medo de doenças, falei para ela fazer uns exames ela não quis.

Passado um dias minha mãe resolveu visitar sua irmã em outro estado me convidou, resolvi aceitar afinal fazia tempo que não a via, conversei com meu marido e ele aceitou numa boa era apenas dois dias e dias da semana.

Esse minha amiga sabia de tudo afinal éramos confidentes, fui viajar era uma quarta feira a tarde meu marido estava no trabalho me arrumei coloque as malas no carro passei na casa da minha mãe para pegar ela. Ao chegar na casa dela minha mãe estava no sofá assistindo TV e falou que hoje não daria para viajar tinha acontecido um acidente na estrada e estava tudo parado e não tinha hora para voltar ao normal. Então por volta das 18hs deixei as malas na casa da minha mãe e resolvi voltar para casa outro dia íamos viajar cedo com a estrada melhor.

Resolvi fazer uma surpresa para o maridinho passei em um supermercado comprei uma pizza e um vinho, assim não sujaria louça para lavar, chegue em casa por volta das 18:30hs, não coloquei o caro na garagem queria fazer uma surpresa entrei com a pizza e o vinho na mão, como a casa era grande entrei sem ser notada e quando estava na sala vi luzes acesa no quarto do fundo, caminhei mais um pouco em direção a cozinha ouvi uma risada de mulher fiquei quieta para saber o que estava acontecendo dentro de casa deixei a pizza e o vinho em cima da mesa da cozinha e caminhei de pé em pé até esse quarto do fundo.

Ao chegar a porta estava encostada tinha um vão que dava para ver em cima da cama as luzes estava acessa, lá dentro meu marido que a partir de agora vou chamar de cachorro estava em pé pelado brincando com uma mulher que a partir de agora vou chamar de vagabunda, ela estava sentada na cama tentando agarrar ele. O rosto dela não conseguia ver estava coberto pelo corpo do cachorro, foi dando um calor uma vontade de entrar lá e acabar com tudo, parei um pouco contei até 10 pensei direito e resolvi ficar ali e descobrir tudo quem era a vagabunda e depois dou um flagra nos dois e resolvo tudo.

Lá dentro a brincadeira continua para minha surpresa quando consigo ver o rosto da vagabunda chego a não acreditar era a minha amiga sentada na cama segurando o pinto do meu marido fazendo movimentos de vai e vem para endurecer já devia ter gozado nela estava limpando o rosto com o sutiã e dando risadas.

Ela fala que delicia de pinto essa coisa dura dentro de min ainda mais quando goza sinto a porra quente me inundando meu útero escorrendo pelas pernas, quero mais fica duro logo, no rosto eu não quero mais tenho nojo, ele da risada e fala alto e bom som, nunca vi puta ter nojo de porra, nisso ele da um beijo na sua testa e pula em cima dela deitando os dois juntinhos na cama.

Ela abraça ele e comenta nós dois aqui não em perigo vai que chega alguém, ele não tem perigo agarra ela beija seus seios aperta a outro e assim começam uma brincadeira de passar a mão no outro.

Eu estava na porta olhando pela fresta ficando com um misto de tesão raiva, meu marido com minha melhor amiga na minha casa. Esse cachorro com essa vagabunda e eu aqui na porta só olhando.

Ele começa a beijar sua boca depois chupa seus seios elogia tamanho o formato fala que gosta de seios com aureolas rosadas bicudos da para apertar bastante, ela por sua vez fica quieta recebendo os carinhos dele até uma hora que ele rola em cima dela, percebo que ele quer penetrar tipo papai e mamãe ela se esquiva empurra ele e fala agora quero de quatro adoro quando você me pega de quatro e da aqueles tapas na minha bunda puxa meu cabelo.

Que vagabunda então não era a primeira vez os dois já tinha me traído outras vezes, vou separar desse cachorro fdp.

Misso ela fica de quatro, o cachorro levanta eu fico apavorada ele vai vir em minha direção, ele caminha até o canto do quarto acho que vai pegar algo depois volta vejo ele abrir a embalagem da camisinha ela de bunda para cima esperando ser penetrada como ele começa a demorar ela levanta vai até ele e fala.

Vagabunda – Vem amor não demora não precisa de camisinha, não estou no período fértil, aquele dia estava hoje não, vem goza dentro da minha buceta que eu gosto muito.

Cachorro – Vai puta você sabe que eu gosto mesmo mais se engravidar eu não vou assumir, o corno vai ter que criar, essa bunda grande gostosa com marquinha de biquíni me deixa louco, que rabo, que buceta como você é gostosa quero comer você todos os dias.

Vagabunda – Ele cria você vai ser só o padrinho, vem com esse pinto duro enfia até as bolas nela.

Pegou na mão do cachorro tirou a camisinha do cacete e jogou no chão e ficou de quatro, o cachorro pincelou na sua buceta e penetrou de uma vez, os gemidos vieram alto seguido dos tapas. Quando ela falou aquele dia veio na minha cabeça aquele dia que ela estava preocupada com a gravidez já era meu marido que tinha comido a vagabunda.

O cachorro metia gostoso igual fazíamos, só que comigo ele demorava menos, pegou de quatro papai e mamãe frango assado depois de ladinho até uma hora que ele gritou.

Cachorro – Ai puta vou gozar dentro dessa buceta quente gostosa e lubrificada que gosto tanto vai vai haaaaaaaaaa estou gozando putaaaaaaaaaa.

Vagabunda – Vai meu gato goza gostoso que eu vou gozar também, meu amante gostoso estou até com as pernas mole goza me inunda com sua gala.

Ele gozou saiu de cima e deitou do lado dela que ficou com aquela bundona branca para cima, ela comentou que estava exausta de tanto levar pinto e ia levantar para ir embora.

Nisso fiquei com tesão alisava minha buceta por cima da roupa, resolvi entrar ali e acabar com tudo, parei pensei direito e achei melhor ficar quieta e dar o troco no cachorro e na vagabunda.

Sai dali muito puta querendo acabar com o nosso casamento, aquele cara não merece minha fidelidade, passei pela cozinha e fui embora esqueci até da pizza e do vinho em cima da mesa, fui para casa da minha mãe refletir um pouco e pensar de como dar o troco.

Antes de voltar para casa depois da viagem já tinha pensado em algo para dar o troco naquela vagabunda fura olho e naquele cachorro que ia ser corno, eu ia fazer de um jeito que eles iam ficar sabendo e até presenciando, mas isso é para outro conto.

Odeflor- (conto clímax), proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.