"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A COROA E O NOVINHO


autor: Flordelotus
publicado em: 09/10/17
categoria: hetero
leituras: 1637
ver notas
Fonte: maior > menor


O Andy é um garoto de 22 anos, moreno, alto, magro, bonito e muito educado. Sempre vinha a minha casa com o namorado da minha filha. Eles costumavam se jogar no chão da sala e passar a tarde vendo filmes. Muitas vezes eles me chamavam pra lhes fazer companhia mas, por uma questão de bom senso, eu recusava. As vezes, eles marcavam de se encontrarem aqui e quando ele chegava primeiro, eu sempre vinha recebê-lo e ficar lhe fazendo companhia enquanto os outros chegavam.
Falávamos de assuntos variados mas, eu percebia que ele sempre dava um jeitinho de levar a conversa pro lado do sexo. Aquilo me deixava inquieta. Onde será que aquele garoto queria chegar? Eu tinha idade pra ser mãe dele. Jamais me passou pela cabeça ter nada com uma "criança ".
Um dia, ele chegou aqui de manhã, sabendo que eu estaria sozinha em casa. Veio com uma conversa de que estava passando aqui por perto e sentiu sede. Eu o convidei a entrar, fomos direto pra cozinha e quando eu dei a volta na mesa pra pegar a água pra ele, me surpreendi com seu ataque repentino. Ele me abraçou por trás, dizendo que eu estava muito cheirosa e que não aguentava mais sufocar o desejo que vinha nutrindo por mim. Tentei resistir, dizendo pra ele que aquilo não podia acontecer mas, ele nem me deu ouvidos. Continuou me beijando o pescoço, as orelhas, metendo a língua no meu ouvido, suas mãos percorrendo meu corpo todo, me apertando. A essas alturas, sua ereção já se pronunciava se esfregando em mim, me fazendo ficar de pernas bambas. Ele me escorou na mesa, colocou uma das minhas pernas em cima de uma cadeira e se encaixou ainda mais em mim. O volume da sua calça estava tão duro que chegava a me machucar. Eu gemia e arranhava suas costas com minhas unhas de felina. Ele foi descendo sua boca pelo meu corpo, me excitando mais e mais. Chegou na minha buceta, nem se deu ao trabalho de tirar minha calcinha, apenas puxou de lado, com dois dedos , percorreu minha abertura de cima a baixo, comprovando o quanto eu estava molhada. Ele olhava pra mim, socava os dedos fundo na minha rachinha, tirava e lambia seus dedos melados. Repetia o processo e colocava na minha boca pra eu provar o gosto da minha própria buceta. Eu nunca tinha feito isso mas, não pensei mais em nada. Fiquei feito boba, apenas fazendo o que ele queria. Gemia feito uma cadela no cio, rebolando nos seus dedos que me fodiam com força. continuamos aquela brincadeira gostosa por algum tempo, eu apertava seu pau por cima da calça, sentindo o tamanho perfeito daquela rola dura que pulsava. Quando eu ameacei gozar com as investidas dele na minha buceta, ele pegou uma escumadeira que estava em cima da mesa, abriu bem meus grandes lábios e passou a espancar meu grelo com ela. Cada tapinha que ele dava com a escumadeira no meu grelinho duro, era como se tivesse dando choque. Eu já estava no meu limite. Gritava e apertava seu pau com muita força. Foi aí que ele abriu a calça e rapidamente, mergulhou com tudo dentro de mim. Senti com dificuldade aquele pau delicioso inteiro na minha bucetinha apertada. Fazendo movimentos rápidos de entra e sai, avisei que estava vindo meu primeiro orgasmo. Ele aumentou ainda mais o ritmo da penetração me fazendo jorrar meu gozo pra cima, molhando tudo. Eu estava toda suada . Mas, ele não teve dó. Tirou a rola da minha buceta, me virou de costas, abriu minha bunda, passou a chupar meu cuzinho piscando, deixou bem molhado, e veio com seu pau me enrabando. Estava doendo um pouquinho devido o tempo que eu estava sem praticar mas, não reclamei. Apesar de já ter gozado, continuava com muita vontade ainda de sentir aquele machinho tão gostoso me comendo. Ele ia metendo seu cacete no meu cuzinho e urrava como se estivesse sentindo dor, também estava muito suado. Ao chegar no fundo do meu cu, ele parou lá dentro e ficou só inflando seu pau pra deixá-lo ainda mais grosso e meu cu ainda mais arrombado. Pegou novamente a escumadeira e passou a bater com força na minha bunda. Batia nos dois lados fazendo minha bunda queimar de dor. Eu pedia pra ele se movimentar pra dentro e pra fora pra aliviar um pouco o incômodo daquele pau grosso, quebrando minhas pregas... kkkk
Foi ele começar os movimentos, gritava e me xingava que estava gozando e enchendo meu cu de porra. Não resisti e gozei mais uma vez. Era muito gostoso sentir sua porra escorrendo pela minha bunda , virilhas e pernas. Eu estava cansada, com as pernas doendo. Ele me arrastou pro banheiro onde fomos lavando um ao outro e naquela farra seu pau ficou duro outra vez. Não pensei duas vezes: cai de boca naquela rola deliciosa, chupando com volúpia até fazê-lo gozar na minha boca, engolindo todo aquele leitinho. Depois disso, nos recompomos e ele foi embora. Passamos dois anos assim: quando ele estava com os amigos, eu era apenas sua "tia" mas, ele sempre dava um jeito de me encoxar escondidinho. Porém, duas vezes por semana, ele vinha a minha casa quando eu estava sozinha para fodermos loucamente.
Por favor, comentem e dêem nota. Um beijão!



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.