"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A Crente Sedenta


autor: lopezht
publicado em: 11/12/15
categoria: hetero
leituras: 8501
ver notas
Fonte: maior > menor


(por H. Thiesen)

No meio da noite ela acordou desesperada, seu corpo queimava e um desejo incontido tomava-lhe o ser.
Nos seus trinta e dois anos de vida, era a primeira vez que passava por uma situação daquelas. Ela suava, o coração quase saltava pela boca, entre as suas pernas algo escorria e os pensamentos não lhe obedeciam, por mais que tentasse desviá-los, a tentação era muito maior e eles voltavam ao mesmo ponto: Sexo, sexo, sexo!
Não fora criada daquela forma, cresceu numa família casta, com fé fervorosa e recatada. Para ela o sexo era pecado e um ato impuro. Casou virgem e a sua primeira experiência sexual havia sido frustante. Sentiu vergonha dela mesma, por deitar-se de pernas abertas, deixar um homem inclinar-se sobre seu corpo e invadi-la daquela forma. Culpando-se, não conseguiu olhar-se no espelho por alguns dias. Um mês depois o marido sumiu, numa manhã ele saiu para trabalhar e não voltou, nunca mais teve notícias e nem sabe o que aconteceu com ele. O que ela sabia sobre sexo, aprendeu nas poucas vezes que dormiu com ele, nos dias que ele ficava em casa, de folga à noite e foram muito poucas.
- Sexo é para procriação - dizia ele, tão crente quanto ela!
Deitada na cama um fogo a consumia, seus pensamentos se tornavam cada vez mais lascivos e a sua excitação, deixava-a totalmente encharcada.
- Deus, será que estou louca? O que é isso agora?
Não sabia como aquilo estava acontecendo. Acordara daquele jeito e no máximo tinha vagas lembranças de um sonho. Para ela, um pesadelo horrível!
- É pecado! Isso é pecado! Coisa do demônio!
Sentou-se na cama, cruzou as mãos sobre o peito e orou. Aqueles pensamentos pecaminosos não a deixavam em paz, sequer conseguiu começar uma prece.
Levantou-se foi à cozinha, encheu um copo com água, encostou-se na pia e bebeu. Enquanto bebia seus pensamentos voavam. Lembrou-se de uma conversa com a colega de trabalho, sentiu-se imunda:
- Fui curiosa demais! O que ela me disse é loucura, mulher decente não faz. Sexo é coisa sagrada!
Voltou para o quarto orando e determinada, tentava penitenciar-se, mas não esquecia do sonho imundo. Deitou-se novamente, não conseguia deixar de pensar no sonho que teve e a fizera acordar naquele estado deplorável. A noite ia alta, minuto a minuto, hora após hora e não seus olhos não pregavam de jeito nenhum.
Lembrou-se do marido desaparecido e nas poucas vezes que fez sexo com ele, comparando os momento e notou que nunca havia sentido aquilo com ele. Num gesto espontâneo, colocou as mãos entre as pernas e viu que a calcinha estava molhada.
- Será? Será que tive um orgasmo! Não... Isso é do demônio! Mulher reta não tem isso! Valei-me!
Tentando medir a extensão do seu pecado, apalpou-se e sentiu sensações que nunca havia sentido.
Esqueceu-se do sonho e do pecado, continuou se tocando. Ela nunca experimentara tais sensações. Curiosa, toucou-se mais um pouco e sem saber bem o que fazia, deixou os instintos aflorarem e finalmente eles a envolveram. A mulher crente deu lugar à fêmea excitada.
Explorou-se, invadiu-se e tateou seu corpo. Naquela noite ela libertou-se dos pudores, afastou seus medos e abriu-se aos pecados. Sem vergonha nenhuma de si, permitiu-se ao prazer. Seu corpo vibrou, suas pernas tremeram, soltou os gemidos e no grito final, abandonou-se a um gozo imenso. Cansada e exausta dormiu!
Acordou de manhã, sentindo o cheiro do seu suor impregnado na cama. Sentiu-se viva, pela primeira vez acordara com prazer em viver. De repente pensou, que havia cometido um pecado, mas logo retrocedeu, como uma coisa tão boa pode ser perversa e perguntou para ela mesma:
- Será que o Pastor não fala com Deus para mudar esta lei?
Um pingo de consciência pesada, a fez voltar aos pensamentos anteriores:
- É blasfêmia, isso é blasfêmia! Abri as portas do meu corpo para o Demônio!
Levantou-se, vestiu a roupa de sempre, blusa recatada, saia comprida, meias três quartos e sapato sem salto. Foi ao banheiro, lavou o rosto, penteou os vastos cabelos compridos. Tomou um café e saiu.
Foi à igreja, fazer penitência, era dia de culto. Orou e pediu para ser afastada do pecado, não queria mais pecar contra a castidade.
Depois do culto, voltou para casa ligeiro. Era domingo e precisava descansar. Resolveu deitar-se um pouco.
Trocou de roupa, decidiu por uma camisola, para ficar mais à vontade e deitou-se na cama. Sem dar-se por conta deslizou a mão nos seios e a sensação, como na noite anterior, aguçou novamente os seus instintos. Desceu sua mão acariciando a barriga e sentiu prazer com seu próprio toque. Continuou descendo e alcançou o meio das pernas. Veio os calafrios, depois o calorão e perdeu o controle da sua mão. Já não mais lhe importava o pecado, eram devaneios que a deixavam louca. Gemeu alto desejando que alguém estivesse com ela. Sem dar-se por conta, envolvida em seu corpo, gritou e chegou ao gozo!
O quarto fechado, o calor do verão e o orgasmo, haviam a deixado suada. A intensidade do orgasmo deixou-a em transe, com falta de ar, com o coração disparando e os músculos retesados e doloridos. Ficou deitada na cama, parada, tentado recuperar-se e adormeceu, tão rápido quanto tomar um calmante.
Quando acordou era noite e não conseguia pensar em mais nada.
- Amanhã é segunda, dia de trabalho, mas para que dormir tão cedo, se é tão bom gozar!



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.