"Os mais excitantes contos eróticos"

 

PROBLEMAS - COMENDO A SOBRINHA


autor: THECOACH
publicado em: 24/02/16
categoria: incesto
leituras: 115251
ver notas
Fonte: maior > menor


Meu nome é Tiago,moro em Curitiba e tenho 38 anos. Sou casado e tenho uma filha já com 19 anos, a Mariangela. Gosto de treinar corrida e natação, assim estou sempre em forma.Minha mulher, a Marcia tem 31 anos, muito bonita e gostosa, me satisfaz plenamente, principalmente no sexo. Mas para homens quando o assunto é sexo não existem limites, as bucetinhas estão por aí pedindo, não podemos desperdiçar oportunidades.
Mas como vocês devem saber mulher também pode ser confusão, muitas vezes uma bucetinha é problema e pau de homem não pensa, são bobos alegres, só querem se enfiar nas grutinhas molhadas...
A situação que vou descrever aqui aconteceu no ano passado. Minha sobrinha, a Flávia , filha de meu irmão que vive em Maringá veio para Curitiba fazer vestibular. Claro que ficou hospedada em minha casa, ela e a prima, minha filha, transformaram a casa em uma festa. Fazia anos que eu não via minha sobrinha, quando fui buscá-la na rodoviária não a reconheci, ela rindo é que me chamou:
-Oi tio, não me reconhece mais?
Fiquei parado olhando uma linda morena que me chamava, com jeans apertadíssimos e uma mini blusa decotada a jovem era o pecado na minha frente. Muito gostosa, seios grandes e chamativos querendo escapar do decote da blusa, quadril largo e cinturinha fina, longas pernas com coxas até grossas demais mas no conjunto uma delícia. Antes de comprimentá-la eu já estava conformado, vou ter que comê-la, simples assim:
-FLÁVIA! Mas o que houve com você? Olha só o mulherão que minha sobrinha virou!!!!
Ela ficou vermelhinha na hora:
-Por favor tio...não fale assim, todo está mundo olhando!
Tratei de acalmar a menina e me controlar:
-Não liga Flavinha, é só brincadeira de tio,vamos pegar sua mala...o carro está aqui perto.
Fomos os dois para o carro, eu levando uma mala enorme e ela com uma pequena maleta, só quando eu estava colocando a mala no porta-malas do carro e ela se aproximou da porta do carona eu pude avaliar bem o material. Mas que traseiro gostoso! A bunda da Flavinha fez meu pau pulsar na hora, já pensei em levar ela direto para o motel ...
-Tio...TITIO!! O que aconteceu...está tudo bem?
Eu estava parado segurando a tampa do porta malas e olhando fixo para o quadril da minha sobrinha como um adolescente. bobo. Tratei de me recompor e disfarçei:
-Ah... ahh ..Flavinha, só estava te admirando, como você cresceu...ainda ontem era uma menininha no meu colo..
Ela sorriu, um sorriso lindo de jovem sem problemas e com o mundo para conquistar.
Fomos direto para casa,lembro que ainda pensei que burrice a ideia de tentar levá-la para o motel, preciso parar de pensar com meu pau. Ainda bem que não passou apenas de uma idéia tola.Quando chegamos a tia e a prima fizeram a maior festa. Minha filha já levou a prima para seu quarto, as duas ficariam juntas no mesmo quarto. Ainda faltava uma semana para o início das provas, Flávia queria passear nos shoppings, ir aos cinemas e lanchonetes da moda, jovem como minha filha foram se divertir. Nas noites todos na sala de TV muito animados nos divertíamos muito.
Mas as coisas foram piorando para mim, se é que me entendem. O problema eram as roupas que a Flavinha usava, para sair tudo muito curto e apertadinho e para ficar em casa, principalmente a noite, pijaminhas finos e curtos, várias vezes notei que estava sem calcinhas e sem sutiã,meu pau sempre duro tinha que ficar disfarçado com uma almofada ou um jornal. Comecei a reparar que minha filha estava influenciada pela prima, começou a usar roupas provocantes também. Só sei que toda noite socava o pau na Márcia com vontade imaginando estar em cima da Flávinha,minha esposa desconfiada:
-O que você anda fazendo seu safado...está tomando viagra?
Não tinha escapatória, eu não sabia como ou de que jeito, mas eu tinha que comer minha sobrinha. A oportunidade surgiu fácil, quando começaram as provas do vestibular e como ela não conhecia a cidade me pediu carona , eu quase me entrego de tão alegre que fiquei:
-Que bom Flavinha, eu vou gostar muito de te levar todo dia fazer as provas, vou te buscar também...que bom!!
E assim foi. No primeiro dia a levei cedo para o local de provas e disse que voltava dentro de 3 horas para buscá-la. Marcamos um lugar para ela ficar me esperando assim eu não precisaria estacionar o carro quando viesse buscá-la. Cheio de más intenções voltei no horário combinado, ela estava no lugar acertado conversando com um rapaz bem apresentado, notei que ao se despedirem ele passou um cartão para ela, com certeza seu telefone. Quando ela entrou no carro aproveitei o gancho:
-Sua malandrinha...já arrumou namorado em Curitiba heimmm?
Ela riu:
-Que é isso tio, é só paquerinha que não dá em nada...
Continuei a conversa aproveitando para perguntar se tinha manorado fixo, se gostava de namorar; Ela disse que adora namorar e se apaixonar, já teve muitos namorados mas no momento está solteira; Eu já estava no rumo do motel, então forçei a barra:
-Mas Flavinha, estou curioso...conta aí para seu tio...você ainda é virgem?
Ela ficou vermelha e com um sorriso tímido me surpreendeu:
-Seu safadinho! Você acha que uma menina com meu corpo chega aos 19 anos virgem hoje em dia?
Respondi já colocando minha mão em sua coxa esquerda:
Claro que não, sei que um mulherão como você deve poder escolher com quem vai para a cama, não devem faltar pretendentes...você já esteve com homens mais velhos?
Sem demonstrar mais timidez e com um sorriso safado no rosto ela responde:
-Tipo assim...como você tio? Que tal parar de me comer com os olhos e fazer alguma coisa?
Na hora parei o carro em um lugar seguro, soltei meu cinto e agarrei ela dando um beijo bem safado enquanto enfiava uma mão na blusa dela. Apalpei seu peitinho e apertei de leve o biquinho saliente e durinho. Com a outra mão pressionei sua xaninha por cima das calças apertadas. Ela não ofereceu a mínima resistência, meteu a lingua em minha boca e agarrou meu pau já duro, tentou enfiar a mão nas minhas calças mas não conseguiu. Me afastei:
-Calma Flávia, aqui não ...é perigoso. Vou te levar para um motel, você merece meu melhor.
Ela ajeitou a blusa como pode já que eu tinha arrebentado um botão sem perceber e eu excitado como um adolescente voei até um bom motel na saída da cidade. Uma vez instalados na suite não perdemos tempo, um arrancou a roupa do outro. Eu fiquei só de cuecas e ela de calcinhas e sutiã. Pelo amor de tudo que existe! Que mulher linda! Delicadamente retirei seu sutiã, uma peça muito sexy e de bom gosto, seus seios livres eram grandes e sensuais, beijei-os carinhosamente. Tirei sua minúscula calcinha e pude observar aquele quadril hipnotizante, a bundinha perfeita e bem saliente. A xaninha bem raspadinha e carnuda merecia e pedia uma lingua atrevida...Quando a ví totalmente pelada em minha frente mesmo sem ser religioso quase me ajoelhei e agradeci aos céus.Ela muito natural veio até mim e abaixou minhas cuecas expondo meu cacete duro, examinou-o sem disfarçar, de joelhos por iniciativa própria iniciou a melhor mamada que já tive, realmente ela sabia o que fazer. Lambeu meu cacete até ele ficar todo lubrificado com saliva, usava a lingua para circular a cabeça inchada e apertava bem o pau e as bolas usando as mãos com prática.Quando começou uma punheta pedi para parar, eu não queria gozar muito cedo...Deitei-a na cama de costas, abri suas pernas e ela mesma dobrou-as. Segurei firme em suas coxas grossas e enfiei a cara entre suas pernas. De imediato ela me agarrou pelos cabelos e forçou minha cabeça para dentro dela. Eu caprichei, aquela menina merecia. Corri minha lingua pela rachinha entre os lábios vaginais, usei a lingua para penetrar o mais fundo possível e cuidei com carinho do grelinho. Minha lingua não repetia movimentos e eu alternava os toques e lambidas sem me demorar em lugar algum, no grelindo fazia a lingua vibrar rapidamente e dava um tempo, assim ela foi ficando louca, a força com que ela apertava minha cabeça de encontro a própria bucetinha até dificultava minha performance. Bem molhadinha já me permitia sorver um pouco daquele licor mágico com propriedades afrodisíacas. Ela começou a gemer alto e a soltar uns gritinhos,o primeiro orgasmo com o titio veio fácil, não dei mole, abri bem suas pernas e levei seus joelhos ao nível dos seios, Flavinha em posição de frango assado aceitou minha pica em sua bucetinha aos poucos, apesar de toda molhadinha a buceta carnuda e com grandes lábios era ainda fechadinha, bem apertadinha. Fui metendo devagar com firmeza e minha sobrinha instintivamente foi se abrindo entre gemidos, quando entrou tudo senti meu pau sendo sugado, a menina queria mais. Comecei os movimentos lentos e fui aumentando na medida em que ficava mais confortável, quando eu já estava bombando rápido Flavinha ficou mais escandalosa:
-Vai titio....AAHHMMMM...AHHHH...ai tio ...fode tua putinha novinha...e..eu vou GOZAR...AAHHMMAIIIIIINN!
Ela gozando, gemendo e gritando e eu ainda bombando, quando senti que ia esporrar tirei o cacete e subindo nela gozei naqueles lindos seios, ela pediu:
-Na minha boca tio! Quero teu leitinho...
Com prazer ela abocanhou meu pau babado e limpou-o gostoso, depois com as mãos coletou esperma dos seios e lambeu com gosto os dedos:
-Gostoso teu leitinho tio...
Nos dois descansamos um pouco, eu ainda queria provar aquele rabo, um cúzinho assim não passa sem vara se depender de mim, mas já estávamos muito atrasados:
-Vamos embora Flávia, sua tia vai desconfiar.
Ela com cara de putinha safada:
-Pena que o tio não quer meu rabinho...
Que ódio! Mas eu não queria fazer mais besteira do que tinha feito, não queria me complicar em casa e talvez até com meu irmão.
-Olha Flavinha, serão quatro dias de provas, não é verdade? Então pode ter certeza que teu cúzinho vai receber o que merece.
Em casa ninguém desconfiou, provas de vestibular são demoradas e não falaram nada, a noite com a conciência pesada dei um trato caprichado na patroa,não queria deixar rastros...
Os próximos tres dias foram muito especiais para mim, me achando muito gostoso pensava afinal o que tinha feito para merecer uma novinha assim, uma coisinha tão gostosa. A Flávia correspondeu de acordo e todo dia depois das provas vinha toda fogosa querendo logo chegar no motel. Logo descobri que o prazer dela é dar o rabinho, ela deixou claro que gosta muito de dar o cú, mais uma vez me surpreendendo:
-Tio...se temos pouco tempo eu quero levar no cúzinho primeiro, eu gosto e estou louca para sentir esse teu pintão enterrado no meu rabo.
Ela não precisou insistir, conheço poucas que preferem atrás, mas são sempre as mais gostosas, safadas é claro, mas quem não gosta de comer as safadinhas? Deixei ela de quatro e pedi para repousar sua cabeça no travesseiro, aquele rabão ficou levantado e o cúzinho latejando exposto, com um dedo bem lubrificado e depois dois dedos alarguei o buraquinho para evitar muita dor ou danos maiores. Quando achei que estava bom fui com cuidado empurrando minha estaca e a Flavinha foi ajudando abrindo bem as nádegas com as mãos e rebolando. É um prazer dobrado fuder mulheres que sabem ser fudidas, ainda mais uma novinha assim. Minha sobrinha mesmo gemendo e sentindo alguma dorzinha recebeu minha vara muito bem, quando sentiu tudo enterrado pediu:
-Agora espere um pouquinho tio, deixa eu me acostumar com teu pintão dentro de mim...
Atendi o pedido, é claro. Esperei até ela liberar e começei a bombar devagar, que coisa gostosa, que rabinho apertado...Ela rebolava, gemia e pedia mais, eu já tirava o pau quase todo e metia rasgando, ela gritava sempre pedindo mais:
-AAAHHHH...Isso tio! É para fuder mesmo...come o cú da tua novinha...AAAHHHMMM...Seu safado...não tem vergonha de comer o cú da sobrinha assim seu FDP! ME FODE TIO!!! Viu como sou uma putinha?
Comecei a tirar todo o pau para fora e meter com força, cada vez que tirava me assustava com o cú dela arrombado, um buraco enorme todo vermelho e inchado, meu pau todo melecado tinha pequenas marcas de sangue, a menina estava arrombada e quase gozando, o castigo não durou muito e ela gozou mais uma vez de maneira escandalosa, tremeu toda e gritou muito, quase desfaleceu. Gozei por todo o corpo dela, a visão daquela menina tão gostosa e com o corpo todo esporrado era única. Imóvel na cama gemendo e soluçando baixinho minha sobrinha com as pernas abertas e de bruços deixava o cú impiedosamente arrombado a mostra, não senti remorso algum, gostei do que estava vendo e faria de novo, mil vezes...
Mas nada dura para sempre, e chegou o dia da partida. Minha filha e eu fomos levar a Flávia na rodoviária. Na despedida ela me beijou na boca, na frente de minha filha que ficou quieta aparentemente sem perceber. Como Flávia não passou no vestibular se despediu dizendo:
-Tchauu tiozinho lindo, em 6 meses volto para...tentar de novo!
Quando eu e minha filha estávamos voltando para casa tive a certeza de que a vida debocha de nós. Do nada a minha filha dando uns tapinhas em minha coxa:
-E daí paizão...a Flávia é gostosa mesmo?
Paralizei enquanto Mari ria da minha cara e continuava rindo mais ainda:
-Pode parar pai, ela me contou tudo, você fudeu ela a semana inteira e ela gostou tanto que me contou tudo, principalmente como teu pintão é grande e gostoso!
Minha filha nunca falou assim na minha frente, nunca usava palavrões e eu assustado:
-O que é isso Mari, perdeu o respeito?
Ela agora séria:
-Claro que não pai, eu te respeito muito mas você foi muito safadinho, se a mamãe descobrir voce está frito...fudido ...(já rindo de novo)
Precisei de calma nesta hora, até parei o carro para falar com ela:
-Você não vai contar nada...né Mari? Olha foi uma fraqueza sua prima que é uma safada e me seduziu...eu sou homem...você sabe. Por favor não conte para tua mãe.
Foi então que o tamanho da encrenca veio à luz:
-Tá certo papai, não seja fingido...sempre soube que você é um pegador de novinhas e agora é a minha vez. Quero que você me leve no mesmo motel que levou a prima, vou te dar gostosinho papai...na semana que vem vou acertar meus horários no cursinho e você acerte umas desculpas com a mamãe, mas você vai provar tua filhinha, e quero igual a Flavinha me contou...tudo mesmo...percebe?
Eu estava sentindo muitas emoções, estava assustado, preocupado e ao mesmo tempo excitado, minha filha me colocou contra a parede com uma faca no pescoço. Mas não ficou só nisso:
-Outra coisa pai...quero teu cartão de crédito, você viu as roupas da Flávia? Eu também quero roupas legais, amanhã vou ao shopping gastar um pouco.
Bem feito feito para mim! Agora estava na mão de minha própria filha, e a maluca ainda queria dar para mim...pensando bem não vai ser tão ruim...
CONTINUA...



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.