"Os mais excitantes contos eróticos"

 

O Professor e suas aluninhas


autor: bernard
publicado em: 07/05/16
categoria: jovens
leituras: 16756
ver notas
Fonte: maior > menor


Para Robson, professor em um colégio em São Paulo, aluna era aluna, professor era professor, mas, do portão para fora, era outros quinhentos. Fora do expediente escolar, para aumentar o orçamento dava aulas em um cursinho pré-vestibular e aulas particulares para alunos com deficiência no aprendizado. Entre seus alunos no cursinho havia a kátia, uma linda baianinha com carinha de safada, dezoito aninhos, cabelos encaracolados, 1,52m de altura, seios tipo mamão papaia, que cabiam na boca, pernas roliças, bunda empinada que até hoje, quando ele se lembra, fica excitado levando a sua imaginação ao extremo da loucura. Durante as férias do meio de ano, passaram a se falar diariamente pelo WhatsApp, afim de tirar duvidadas do conteúdo estudado. Claro que ass conversas versavam em torno da matéria do vestibular, mas com o tempo se tornaram cada vez mais íntimas. Kátia contava seus segredos e suas fantasias, pedia conselhos a respeito do namoro, etc... Ele a ajudava com palavras que estavam ao seu alcance, mas isso pouco importava. Queria curtir sua voz sussurrante, rouca, sensual contar-lhe sobre o tamanho mínimo e a cor da calcinha que estava usando, como foi a última transa com o namorado, o que mais ela gostava de fazer na cama e o que não podia faltar nas transas. Certa vez, mandou um áudio do WhatsApp gemendo bem gostoso dizendo que estava vendo um filme pornô e queria compartilhar com ele o enredo do mesmo. Sua imaginação, seus delírios e suas fantasias o faziam gozar loucamente imaginado um dia tê-la em seus braços e poder realizar tais desejos o que não demorou muito a acontecer. Certa vez, marcaram uma tarde, para irem ao cinema. Kátia, estava bem gostosa, nesse dia, com um vestidinho branco curto de alcinhas e sandálias de salto-alto. Ao entrarem na sala, ela pegou na mão do professor para entrar, pois a sala estava escura e ela estava com medo de cair. O trailer já estava passando quando chegaram. Então se sentaram nas ultimas poltronas bem no fundo da sala onde havia poucas pessoas, devido ao horário e logo que se acomodaram Robson percebeu que o vestido dela subiu o suficiente para ver expor suas belas coxas bem torneadas ficarem a mostra para o seu deleite e bel prazer. Não demorou muito ele passou o braço direito pelos seus ombros e a puxou para perto de sim roubando-lhe um beijo doce e delicado. De início de maneira calma e tranquila, para não a assustar, para depois avançar para beijos mais ousados e molhados. Enquanto beijava ele deslizava as mãos por todo seu corpo. Ela lambia seus dedos, beijava a orelha, puxava seus cabelos, apertava seus braços e pernas. Ele, deslizava as mãos por suas pernas morenas, malhadas, cobertas por leve penugem dourada. Puxou sua calcinha para o lado e começou a brincar com sua bucetinha depiladinha levando-a loucura. Ela estava totalmente molhada, literalmente ensopada. Os dedos do professor penetravam facilmente a bucetinha deliciosa. Ela arfava, então ele começou, de forma mais atrevida, a passar a mão em sua bundinha e colocar o dedinho em seu cuzinho, bem gostoso, devargazinho, bem no fundo e pode perceber que o cuzinho já não era mais virgem e, simplesmente, delirou com isso. Ela gemia bem baixinho no seu ouvido e lhe dizia que adorava um dedinho no cuzinho, que era putinha safada e que amava ser totalmente enrabada. Sem pudor, se liberaram totalmente. Esgueirando-se entre as cadeiras ela caiu de boca no seu pau duro, grosso e quente, com uma voracidade que o surpreendeu. Como chupava bem, sabia o que estava fazendo. Não se importaram com os olhares do casalzinho de namorados ao lado. Robson subi sua micro-saia, afastou sua calcinha rosa, e caiu de boca em sua bucetinha lisinha fazendo-a gozar e se contorcer toda com um tesão imenso. Sua língua explorava seus lábios vaginais com vontade, com ardor. Que gosto delicioso, sua bucetinha estava molhadíssima, cheia de gozo e de tesão. Ela se virou de costas e ele começou a lamber todo seu cuzinho, abria-o bem, enfiava a língua bem no fundo, arrancando suspiros. Ela estava totalmente louca e molhadinha. Ele começou a enfiar um dedinho em seu cuzinho. Ela rebolava e gemia bem gostoso. Ele sentiu que poderia avançar um pouco mais, então colocou, assim, dois, até três dedinhos bem no fundo do seu cuzinho, enquanto chupava sua bucetinha com certo desconforto pois o espaço era pequeno e apertado. Nem acreditava no que estava acontecendo. Seu cuzinho estava realmente acostumado a ser penetrado, o que só fez aumentar seu delírio e seu tesão. A esta altura do campeonato sua pica estava duríssima. Queria demais aquele cuzinho. Então, sentou-se na poltrona e com uma voz rouca, mas decidida, pediu a ela que deixasse comer sua bundinha super gostosa. Ela apenas pensou por um segundo e foi sentando bem gostoso na pica, totalmente inchada e quente. Primeiramente, ele enfiou bem gostoso em sua bucetinha que estava toda lambuzada. Mas o que ela gostava mesmo era dar a bundinha. Sentou-se sobre a pica dele lentamente. A penetração profunda não foi difícil, o que apenas confirmou que ela já tinha dado a bundinha várias outras vezes, fato que o deixou ainda mais excitado e apaixonado. Como ela rebolava gostoso, com classe, como uma verdadeira putinha bem sacana. A sensação de estarem sendo olhados pelo casal ao lado apenas aumentava o tesão de ambos. Ela apertava seu pau com seu cuzinho guloso, totalmente arrombado. Que tesão!!!! Rebolava com vontade, como uma verdadeira putinha depravada e sacana. Robson experiente nesse assunto, ama mulheres assim. Prestes a gozar, ela se ajoelhou na sua frente e pediu que gozasse dentro de sua boquinha e sobre seu rostinho lindo. Foi um delírio fantástico. Aquela ninfeta maravilhosa, tesuda demais, que arrancava suspiros na sala de aula, estava ali, maravilhosa e linda, ajoelhada, entre suas coxas, com seu gozo em sua boca e em seu rostinho. Ele deu-lhe um beijo de língua bem forte e intenso sentindo na boca o gosto da sua porra. O casal de namoradinhos, próximo a eles, os olhava com um olhar de cumplicidade fantástico, pois eles também estavam em altos amassos. De canto de olho Robson pode ver que o rapaz mamava gostosamente as tetinhas da garota, que pelo tamanho pequeno, deveria ser uma adolescente que ainda estava descobrindo os prazeres do sexo. Depois dessa trepada fantástica decidiram ir embora sem ao menos ver fim do filme. Quando passaram pelo casal de namoradinhos, que se encontrava ao lado deles, Kátia, mais ousada do que nunca, enfiou os dedos em sua bucetinha molhada e os ofereceu para que os dois os chupassem, o que fizeram de forma super sensual. Robson ficou completamente apaixonado por ela e a partir desse dia resolveram ficar juntos. É claro que ela terminou com seu namoradinho e a partir de então, passaram a transar sempre que podiam sem se descuidar dos estudos já que o professor prometeu que iria fazer de tudo para ela passar no vestibular de psicologia, pois no vestibular de putaria já estava diplomada. Próximo ao aniversário do Robson, Kátia lhe disse que iria lhe dar um presente. -Ele perguntou o que seria, ela respondeu:- Calma, Robson! Você vai ver! Mas pode ter certeza que você vai gostar muito. No dia do seu aniversário, quando ele chegou em casa, veio a sua surpresa. A Kátia, que tinha as chaves da casa, abriu a porta sem roupa, e até aí, tudo tranquilo, pois ela sempre fazia isso. Mas quando ele foi em direção ao seu quarto, quem ele encontra? Catielly, A irmã dela, 1,51m de altura, uma bunda que era uma delícia, pernas grossas, não tanto como da irmã, toda cheinha, seios meios, uma boca delicada, e um par de pezinhos mais lindos do que da irmã, peladinha e de perninha abertinha e a Kátia virou e disse: - Eis aí o seu presente, Robson!! Agora venha!! Quero que você a devore na minha frente, pois quero ver a minha irmãzinha gozar feito louca. Animadíssimo ele já foi tirando a roupa e a irmã dela já veio para cima dele, lhe dando beijo na boca e falando no seu ouvido: - quero virar ser sua puta, professor gostoso!!! Ele foi beijando aquela boca e já levando a mão naquela bunda maravilhosa e a jogou na cama e caiu chupando-a todinha. Começou pelos seios, mamou, dava mordidinhas e ela gemia: - Uiiii! Hummmmm, professor!! Que delícia! Estou louca para você lamber e chupar meus pezinhos! Minha irmã falou que dá um tesão danado! -Vou chupar você todinha, Catielly!! Frente e verso!! - ele respondeu. - Deixa que eu vou dar as ordens e dizer o que você vai fazer com ela, Robson! Hoje vocês são meus escravos, quero ver minha irmã gozar feito puta! - A Kátia virou e disse. Ele foi chupando a Catielly todinha, barriga, umbigo, virilha e a Kátia perguntando: - Então, irmã, está gostando de ser puta do meu professor? - Estou adorandoooo!! Aiiiii!!! Tá gostoso demais!!! - a Catielly respondeu. Ele continuou chupando as virilhas, foi descendo pelas pernas, coxas, joelhos e chegou nos pezinhos da Catielly. Que delícia!!! Chupou cada dedinho, planta, lados, peito do pé, chupou os pezinhos dela de todas as formas. Nisso a Kátia virou e falou: - Catielly, agora quero que você caia de boca na piroca dele!! Anda, chupa!! Mas chupa com carinho, pois essa pica aqui me fode sempre e me leva à loucura. Que safadeza mais gostosa!! Ela já estava ficando doido. A Catielly não se fez de rogada, e caiu de boca na piroca do professor. Dava para ver que ela não tinha muita prática. Não demorou muito e a Kátia segurou a cabeça da irmã e falou:- Agora, delícia!! Soca a sua pica na boca dela! Ela mal terminou de falar e ele socou o seu pau na boca da Catielly, que às vezes engasgava. Quando seu pau saia de dentro da boca dela, ele estava todo melado de baba. Continuou socando até que a Kátia falou: - Catielly, fica de quatro que ele vai comer a sua buceta bem gostoso!!! Você vai ser a putinha do Robson, sua safada!! Você está dando para o meu homem, que me fode gostoso!! Então, tudo que eu mandar você vai fazer. Robson posicionou a cabeça do seu pau na entradinha da xotinha da Catielly e foi empurrando bem devagar. Seu pau entrou todo naquela bucetinha apertadinha, e foi começando o vai e vem e a Kátia falava: - Isso!!!!! Delícia, soca na buceta dessa vaca, arregaça ela toda, deixa ela toda arrombada. - Puta que pariu, professor!! Como o senhor fode gostoso, mete tudo vai, gostoso!!! Meteeeeeeee!!!!!!!!!!!!! - a Catielly falou, quase gritando. Ele começou a bombar e ao mesmo tempo massageava o grelinho dela, e aí veio o primeiro anúncio que ela ia gozar. - Aiiiiiiiii, irmã!!! Eu vou gozar no pau dele, está vindo irmãaaaaaaaaaaaaaa, agoraaaaaaaaaaaaaaaaaaaa, ai, que tesãoo!!!!! hummmmmmmmm!!!!!!!!!! tô gozando filha da puta!!!!!!!!!! - a Catielly gemia descontrolada, gozando atolada no pau. Ele aumentou o ritmo e sentiu o líquido saindo da xoxotinha dela. Hummmmm, que delicia!!! Deu uns minutos para a Catielly se recompor e a Kátia, muito safada, caiu de boca no pau e mamou muito. Depois ela virou para a irmã e disse:- Você tem uma buceta gostosa, irmã!!! Acho que vou te chupar quando estivermos em casa!! Ela falava essas safadezas e chupava a pica ao mesmo tempo. Quando a Catielly voltou a ficar com vontade de levar ferro novamente, Robson já estava pronto para enfiar o pau novamente na xota dela.- Nada de buceta!!! Agora você vai comer o cuzinho dela!! - A Kátia disse. - Não, Kátia!!! Vou dar não!! Tenho medo!! - a Catielly protestou, com uma carinha de assustada.- Vai dar sim, Catielly!!! Hoje você vai perder a virgindade desse rabinho!! Vamos!! Sem reclamar! - a irmã dela disse, forçando ela a ficar de quatro novamente. A Catielly viu que não tinha saída e ficou quietinha, suspirando lentamente e tentando controlar a ansiedade. Ele podia ouvir o coração dela disparado. Ele se abaixou e começou a lamber aquela rabo gostoso e aquele cuzinho fechadinho e tentava enfiar a língua entre as preguinhas do cuzinho dela que piscava o buraquinho, deixando-o completamente doido de tanto tesão. - Que delícia, Robson!! Ninguém nunca fez isso comigo!! Meu deusss!! - a Catielly falava, rebolando sua bundinha gostosa. - Posso enfiar nesse rabinho agora? - perguntou. - Sim, mas vai devagarinho, por favor!! Nunca deixei enfiar nada aí atrás, professor!! Mas você eu vou deixar!!! Quero dar meu cuzinho pra você, seu delicioso!! - a Catielly falou e ele viu que já era a hora de penetrar aquele rabinho apertadinho. Foi enfiando um dedo no cuzinho dela, para abrir um pouco mais. Em seguida pegou um pouco de KY, foi passando no anelzinho dela e o deixou bem lubrificado. A Kátia se abaixou, deu mais uma chupada na pica dele e falou:
- Vai, delícia! Come esse cuzinho virgem, que estava guardado pra você!! Arregaça ele todinho!! A Kátia falou isso e abriu a bunda da sua irmã com as duas mãos oferecendo aquele rabo lindo. Ele posicionou a cabeça da rola na entradinha do cuzinho da Catielly e foi empurrando, bem devagar. - Mete, professor!!! Come o cuzinho da sua aluninha!! Ohhhhh!! - a Catielly gemia e dava uns gritinhos. Depois que a cabeça do pau passou, ele de um tempinho para ela se acostumar, e foi empurrando, até que entrou tudo. A Catielly gemia e dava uns gritos de dor e prazer. Era uma delícia para ele comer aquele cuzinho virgem. Foi aumentando o ritmo devagar e segurando na cintura dela e ficava olhando o seu pau entrar e dava mais vontade de foder aquele cu. Deu alguns tapinhas na bunda dela e aí ela gritou: - Professor Robson, soca forte no meu rabo!!! Está ardendo um pouco, mas está tão gostoso!!! A voz dela saiu rouca do prazer que ela estava sentindo. Ele foi aumentando as socadas e a pegou pelos cabelos e puxou, socando a vara lá dentro, bem fundo. Às vezes tirava tudo e depois socava lá dentro e ela gritava: - Aiiii!! Filho da putaaaaaaaa, tá arregaçando o meu rabooooo!!!! E ele falava para ela: - Toma, putinha!!! Toma no cu, safada!!! Eu já estou quase gozando, sua vagabunda!! Você se fazia de santinha e agora está aqui de quatro dando o cuzinho para o seu professor!!! Eu vou gozarrrrr!!! Aí a Kátia virou e falou: - Delícia!!! Goza nos nossos seios, vemm!!! Que loucura!!! Ele só conseguiu dizer "sim" e gozou nos peitos das duas. E a Kátia ainda chupou seu pau, limpando todinho e as duas se beijaram, dividindo a porra. Foi muito bom!! Você, mulher, que busca um bom papo, pois sexo é consequência, sou um homem carinhoso, romântico, que adora satisfazer os desejos das mulheres, magrinhas, fofinhas, adoro fazer massagens relaxantes, e adoro um belo par de pezinhos. Gostou? Se excitou? Dá uma nota então...e não deixe de ler a segunda parte desse conto. Se desejar podemos conversar sobre o assunto. Skype: bernard.zimmer3 ou e-mail. bernard3320@live.com ou WhatsApp: 11944517878




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.