"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Totosinha- Como eu ganhei meu apelido


autor: AlineTotosinha
publicado em: 29/05/16
categoria: lésbicas
leituras: 42236
ver notas
Fonte: maior > menor


Oi muito prazer, se você ainda não me conhece, pode me chamar de Aline Totosinha.
Fiz o Ensino Médio em uma escola bem tradicional de Brasília. Em contrapartida ao nível de exigência acadêmica, o colégio oferecia aos alunos acesso livre a uma grande área de recreação. Podíamos passar os horários vagos entre aulas, laboratórios e almoço relaxando um pouco. Além das quadras de esportes, neste pátio havia duas mesas de pingue-pongue, um “espirobol”, várias mesas com tabuleiros para xadrez e três mesas de totó.

Eu sempre fui boa no totó. Minhas amigas mais próximas preferiam pingue-pongue e vôlei. Toda vez que elas se arriscavam no totó perdiam feio e os garotos tiravam sarro delas. Mas eu dava trabalho pra eles, e por isso era mais respeitada e desejada nas mesas de totó.

Com 17 anos, cursando o terceiro ano do ensino médio, vivíamos em festas, e uma das partes mais legais era juntar nossa panelinha pra se arrumar na casa da garota cujo pai nos daria a carona de ida. Nossas famílias se revezavam, e cada fim de semana nós passávamos a tarde de sábado na casa de uma das quatro garotas do nosso grupinho. Foi aí que começamos a tomar gosto por maquiagem e outras coisas do universo feminino.

Numa dessas tardes de sábado, estávamos na casa da Camila- a Cami. Naquela semana minha mãe tinha me levado pra fazer compras no Pátio Brasil e escolher meu presente de aniversário, que já estava atrasado. Já pensando no agito de sábado, escolhi um vestido com um estilo diferente dos que eu já tinha: decotado nas costas. Na casa da Cami, ansiosa, fui logo mostrando o vestido novo pras minha amigas, que adoraram e me pediram pra experimentar e fazer o desfile dele.

Tirei o All Star branco de cano baixo, o top preto e o short jeans e vesti minha roupa nova. O vestido era azul royal, de tecido bem levinho. Era mais frouxinho na parte de cima, com um decote bonito nas costas, e mais colado embaixo, na parte da saia. A Dani, a engraçadinha do grupo, já foi logo falando:
- Nossa, Line. Você só não vai poder usar esse sutiã, né amiga? Por que isso aí tá o ó! Agora eu quero é ver você passar a noite toda com essas tetonas pesadas balançando livres, nada leves e totalmente soltas. Hahahahaha! Os caras vão adorar ver seus peitos... quer dizer,ver VOCÊ dançar hoje, não vai sobrar nada pra nenhuma de nós!

A gente riu da palhaçada maldosa e eu soltei os ganchos do meu sutiã, tirando a peça sem tirar o vestido.
- Porra, não é justo! Olha esses peitos da Line!- Disse a Maju agarrando meus dois peitos sobre o vestido e sacudindo-os de um lado pro outro. Olhei no espelho. Como meus seios já eram bem grandes, mesmo sendo soltinho o vestido ficou bem agarrado nos peitos. Dava pra ver bem as formas redondas deles pelo tecido leve, e os bicos estavam bem evidentes através do tecido fininho. Na cintura o vestido ficou soltinho, e abaixo dela colou nas minhas coxas e na minha bunda. Minha bunda não era muito grande, mas no vestido as nádegas pareciam mais redondas e volumosas, a calcinha fio dental apertada demais estava bem marcada. Me senti gostosa e bonita.

- Ficou muito lindo! Deixa eu experimentar?- A Cami pediu.
- Eu vou querer também!- A Dani falou em seguida.

Tirei o vestido, fiquei só de calcinha. A Cami levantou da cama e começou a tirar a roupa, ficando só de calcinha também. A Dani e a Maju assistiam a troca, sentadas no carpete do quarto. O corpo da Cami era bem diferente do meu. Os peitos dela não eram pequenos, mas definitivamente não eram grandões e pesados, nem redondos como os meus. Os peitos dela eram mais pontudos, bem empinados, aréolas grandes e bem rosadinhas, porém os bicos não ficavam tão proeminentes como os meus. A bunda era pequena e ela estava usando um caleçon de renda branca. Apesar das luzes nos cabelos compridos, pela renda dava pra ver a periquita semi-depilada, com pelos bem negros formando um triângulo somente acima dos lábios, que estavam lisos e marcados no meio da renda.

Quando ela colocou o vestido, a roupa parecia outra completamente diferente da que eu tinha provado. Nela ficou mais delicado, e os bicos dos peitos não ficavam visíveis através do tecido. Calçou um par de scarpins bege de meia-pata e começou a andar pelo quarto. Apesar da bunda dela ser meio achatada, as coxas eram grossas, e quando ela andava o vestido encolhia e subia pelas pernas. Sentada no chão, a Dani disse:
- Daqui dá pra ver a dobrinha da sua bunda.

A Dani e a Maju também tiraram as roupas e provaram o meu vestido, e no corpo de cada uma ele parecia uma peça diferente. As quatro só de calcinha, conversamos sobre nossos corpos. A Maju era bem magrinha, pele morena, e a mais alta de nós, tipo modelo. A Dani, apesar da cintura fina, era um pouco mais roliça, com quadril largo e umas gordurinhas nos culotes, e era a mais gatinha de rosto. Tinha olhos cor de mel, cabelos castanhos escuros lisos e a pele bem branquinha. O rosto lembrava essas atrizes americanas, com lábios grossos e redondos.

De todas nós, meus peitos eram sem dúvida os maiores. Conversando sobre o que os garotos gostavam, a Dani e a Cami pediram pra tocá-los, pra ver como era. Juntas, cada uma começou a apertar um dos meus peitos. Apesar de não me interessar por garotas, a sensação dos meus dois peitos sendo apalpados começou a me deixar um pouco excitada. A Maju assistia tudo, agora sentada na cama com as pernas cruzadas como uma índia, de calcinha amarela flúor contrastando com a pele. A posição deixava suas pernas bem abertas e apesar de magrinha, a Maju tinha uma baita duma pata de camelo.

De repente, a Dani apertou a base do meu peito direito com uma mão e caiu de boca. Ficamos todas surpresas. Com a boca muito molhada, ela chupava e soltava o meu mamilo, várias vezes seguidas, o que deixou minha xoxota quente na hora. Olhei pra baixo e vi sua boca carnuda sugando a minha teta. Naquele dia ela estava provando um batom vermelho, que ficava perfeito naquela bocona me mamando. Depois, botou a língua pra fora e começou a lamber a minha aréola pequena de baixo pra cima, acariciando com a língua molhada o bico entumecido do meu peito. A Cami e a Maju nos assistiam quietinhas. Quando eu achava que não podia ficar mais intenso, ela abriu bem a boca, abocanhou o quanto conseguiu do meu peito grande e chupou afastando a cabeça de mim, puxando e levantando ele com a sucção. Fez isso com muita força, até o peso do meu peito ser demais e a gravidade vencer a sucção que ela estava fazendo. Com um estalo meu peito escorregou pra fora da boca da Dani, molhado da saliva dela, e balançou pesado.
– Eu adoro melão!- A Dani falou, quebrando o gelo e nos fazendo rir.

Eu amo ter os peitos acariciados e chupados, e apesar de ter sido muito estranho ser tocada por uma garota, com a Dani a sensação não foi menos gostosa. Os lábios carnudos pintados de vermelho, a boca quente e a sua língua macia me deixaram excitada, ela realmente chupou a minha teta como se fosse uma fruta suculenta. Agora a sua boca estava com o batom todo borrado, e compartilhava seu vermelho vivo com a pele do meu seio. Aposto que ela, a Maju e a Cami também estavam com as calcinhas molhadas iguais a minha. A Dani passou a mão no meu peito babado, secando a sua saliva, e completou, rindo:
- Desculpa amiga, com todo respeito, não resisti a esse melãozinho totoso!
- É por isso que os garotos só gostam de jogar totó com ela. Porque ela é a mais totosinha!- A Maju arremedou a piada, ao mesmo tempo elogiando o meu corpo já bastante desenvolvido para a idade e desmoralizando completamente minhas habilidades no pebolim. Continuamos conversando, nos arrumamos juntas e nos divertimos muito na festa aquela noite.

Na terça-feira seguinte, horário do almoço, depois de muito me procurar pela escola as meninas me encontraram jogando totó com alguns garotos. A Cami mandou a nossa piadinha interna bem alto pra todo mundo ouvir:
- Claro, olha lá onde ela tá. Jogando totó, a Aline Totosinha!

O apelido de duplo sentido pegou e até hoje o pessoal com quem estudei no ensino médio me chama assim.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.