"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A mulher do empresário


autor: darkdick
publicado em: 19/10/16
categoria: traição
leituras: 4371
ver notas
Fonte: maior > menor


Aos 45 anos, termino um casamento de 20 anos, agora é olhar em frente, a vida continua o que fica para trás, são recordações.

Desconhecia o mundo das redes sociais, nunca me passou pela cabeça que existisse tanta mulher cansada da rotina do casamento e à procura de novas sensações.

Mensagem após mensagem vai-se conhecendo o que nos parece irreal, mulheres casadas que se revelam de uma forma safada, atrevida, dispostas a tudo por uns momentos de sexo.

Depois da madura, mantive contacto com várias, o raio do iphone não pára de receber mensagens, escolho as mais carentes e atrevidas, as outras continuo num flirt mais delicado, mas ficam em fila de espera.

Os meus amigos dizem-me que estou um pouco transtornado pelo divórcio e que quero me vingar, eu acho que não, agora que há muita puta casada a encornar os maridos não tenho duvidas.

Bom, vamos ao que interessa.

Casada 36 anos, 12 de casamento, situação económica estável, esta quer encornar o marido, por vingança, um empresário, com muitas reuniões nocturnas.

A conversa é sempre a mesma, acaba sempre no que ambos queremos.

O motel é o mesmo, e marcamos encontro na mesma bomba de gasolina.

Diferente da madura, esta tem ar de senhora bem, cabelo platinado, calça justa, um top a condizer, um bombom.

Entra para o carro, dois beijinhos e quando me preparo para seguir, diz-me para aguardar.

Então ?

Quer realizar uma fantasia, uma mamada dentro do carro.

Não sou homem para recusar qualquer coisa ao belo sexo, e dei uma voltinha maior com o carro, assim que nos metemos à estrada, abre-me o ziper e abocanhou.

Conduzir e ser chupado é delicioso, mama com jeito, chupa a cabeça da verga e mete quase até ao fundo, sinto-me nas nuvens e quando me esporro, engole o leitinho.

Gulosa..

Muito. Diz-me enquanto lambe a verga.

Motel com ela, despe-se e aprecio o seu corpinho, bem tratado, coninha depilada, um must.

A primeira foda é à moda de franguinho assado, abre as pernas e meto-lhe a verga, grita que nem uma cabra, arranha-me as costas, prende-me com as pernas e vem-se em convulsões de prazer.

Há que fazer um intervalo para retemperar as forças e como bom ouvinte, atendo aos seus lamentos de esposa traída.

Aproveito este momento de fraqueza para a acariciar e preparar para nova arrancada.

Acaricio-lhe as nádegas, e gabo-lhe o rabinho.

Tens um rabinho de menina, durinho.

Ri-se, mas vejo que está nervosa.

Quando sente o meu dedo maroto no anelinho, estremece.

Aí não.. diz-me com voz suave.

Então amor ?

Não..

Vá queridinha eu meto devagar.

Suspira, mas mantem a recusa, mas o interessante é que não foge com o rabinho e eu continuo a massajar.

Chupo-lhe os mamilos duros, e beijo-lhe a barriguinha até perto da coninha melada.

Geme e acaricia-me a cabeça, mas não estou disposto a mamar uma xota esporrada e com jeitinho viro-a de ladinho.

Deixa-se ir, encosto a verga no meio das nádegas, e acaricio-lhe as maminhas, passo a mão na barriguinha até chegar à xaninha, meto o dedo e masturbo-a.

Rebola o rabinho de encontro à verga, procuro o buraquinho que quero inaugurar e aponto a cabeça.

Ai…não..não faças isso, uma recusa dita com vozinha de putinha safada, que diz não e quer levar com ele.

Vai..amor…vais gostar.. no cuzinho.. o corno já te meteu no rabinho.

Não, diz ela com vozinha lamurienta.

Pois.. não sabe a mulher que tem, um rabinho bom e o corno não gosta.

Empurro a cabecinha marota e zás entra.

Aiiiiiii… isto dói..

Calma, coração deixa meter mais um pouquinho e vai adorar.

Ufa…ufa…geme ela

Puxo-a para mim e meto o resto da verga.

Pronto…todinha…

Ai..geme ela

Rebola o cuzinho amor.

De ladinho é gostoso, mais delicado, e fodo-lhe o rabinho com gosto, o dedo no grelinho faz o seu trabalho e a safadinha passa a gemer de prazer e já acompanha a penetração movimenta o quadril ao sabor da estocada.

Isso amor…fode com o cuzinho

Ai querido…tão bommmm..

Vês o que tens perdido, digo-lhe enquanto soco a verga bem fundo.

Vou-me vir… no cuzinho da querida.

Vem amor.. vemmmmm.

Esporro-me dentro dela, gostoso demais, um cuzinho virgem uma mulher de sonho.

E pronto amigos, depois de a enrabar já não há forças para nova foda, o caralho fica dorido..

Despacho esta com palmadinhas no rabo e beijinhos e procuro nova safada, e claro fazer ou continuar a fazer mais um corno.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.