"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Malabarismos quentes na escada


autor: babyblue
publicado em: 03/03/17
categoria: hetero
leituras: 2038
ver notas
Fonte: maior > menor


Depois de dar aula das nove da manhã até às dez da noite eu só pensava em chegar em casa, tomar um banho e não fazer mais nada.

Abri a porta e vi as luzes acesas. Lá estava ele me esperando e logo fiquei preocupada se havia esquecido de alguma programação. Mas não, era apenas a melhor surpresa do mundo: a sua companhia em uma noite fria.

Apesar da exaustão lhe abri um sorriso e lhe dei um abraço terno e apertado. Larguei as coisas no sofá e disse que ia tomar um banho rápido para então jantarmos.

Ao subir as escadas escutei um estalo e senti minha bunda doer. Continuei a subir e ele me deu um outro tapa. O primeiro eu até deixo passar, mas do segundo em diante...

Me virei e aproveitei a altura do degrau para agarra-lo e dar um beijo intenso. O saí empurrando escada abaixo e ele caminhou em direção ao sofá. Lhe puxei de volta pela camisa e me recostei na parede. Senti ele arrancar minha roupa quase em desespero e agarrar minha cintura com força, puxando-me para si.

Dava para perceber que ele já estava com pica dura para mim e com isso já me via cravando as unhas em suas costas por baixo da camisa e mordendo os lábios. É, eu já estava louca de tanto tesão!

O recostei contra a parede e tirei sua camisa. Sentia aquelas mãos grandes e firmes em minhas costas fazendo-me arrepiar. Beijava seu peitoral descendo, em mesmo tempo em que minhas unhas corriam por suas costas com certa crueldade.

Fiquei de joelhos e tirei sua bermuda. A excitação dele era tão grande que achei que aquela cueca box ia rasgar a qualquer minuto. Enquanto apertava aquela bunda deliciosa, puxava a cueca com os dentes, dando-lhe algumas mordiscadas.

Ele pegou meu cabelo e puxou-o para trás e me fez olhar em seus olhos. Não precisamos trocar uma palavra. Ele sabia que eu estava doida para chupa-lo e eu sabia que aquela provocação estava deixando ele louco.

Tinha total consciência de que a vontade dele era empurrar minha cabeça contra seu corpo e me fazer engoli-lo de uma vez. Mas ele que começou a provocar, agora tinha que aguentar...

O olhei nos olhos, dei um sorriso e segurei aquela pica dura com firmeza e bati com ela em minha cara. Esfreguei ela por meu rosto e passei a cabeça roçando em meu lábios.

Comecei a chupar devagar, passando a língua, bem devagar, em toda sua extensão. Sentia o quanto ele tava ficando louco pela intensidade com que puxava meus cabelos e isso só me dava mais vontade de provocá-lo.

Comecei a engolir devagar, mas quando tirava fazia questão de apertar meus lábios e chupar-lhe com força. Quanto mais excitado ele ficava, mais eu o engolia e o sugava.

- desse jeito eu não vou aguentar!

- É exatamente o que eu quero!!

O vi respirar fundo e segundos depois sinto aquele leite quente em minha boca. Engoli tudo enquanto o punhetava em minha boca.

Ele me levantou devagar, ainda me puxando pelos cabelos. Encostou-me contra a parede, agora de costas para ele. Enquanto apertava meus seios, sentia sua boca percorrer lentamente meu pescoço, minha orelha, minhas costas...

Comecei a gemer baixinho e a uma de suas mãos desceu em direção a minha buceta. Não conseguiria mensurar o quão molhada eu já estava, ainda mais depois que seu dedo esfregou meu clítoris.

Enquanto isso, senti seu pau enrijecer novamente em minha bunda. Era só isso que eu estava esperando... me virei em direção a escada e apoiei minhas mãos no primeiro degrau, ficando toda empinada pra ele. Não abri as pernas, quis que ele metesse na minha buceta bem apertada.

E assim ele fez, bem do jeito que eu gosto. Agarrou-me pela cintura com força e enfiou aquela pica toda dentro de mim. Soltei um gemido alto, e ele sabia que era porque eu estava gostando. E meteu mais e mais e mais... enterrou com vontade e cada vez mais rápido. Gozei tão intensamente que sentia minhas pernas tremerem.

Mandei ele sentar em um degrau e recostar-se na escada. Sentei naquela pica de costas para ele e fiquei subindo e descendo, sentando cada vez mais fundo e largando mais meu peso. Se minhas pernas estavam bambas antes, nesse momento então...

Não aguentei mais e ficamos de pé, ele de costas e encostado no guarda-corpo da escada e eu abraçada a ele, com uma das pernas levantada e apoiada na naquela peça fria de aço escovado.

Apesar da exaustão, lá estávamos a fazer malabarismos na escada. Ele levantava minha coxa e suspendia meu corpo, me penetrando fundo. Sentia seu corpo quente e suado contra o meu, enquanto eu ofegante gemia feito louca.

Foi um gozo intenso. Minha perna retornou ao degrau quase que como um peso morto e ficamos lá abraçados recuperando o fôlego.

Quando finalmente tivemos forças para subir para o banho, sinto uma nova tapa minha bunda.

- certeza que vai bater de novo?

Ele ri e vamos ao nosso banho quente.









ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.